Tenista norte-americana Serena Williams desiste

Atleta diz que ainda não atingiu o nível que pretende após ter sido mãe

A tenista norte-americana Serena Williams anunciou esta sexta-feira que não vai participar no Open da Austrália, de 15 a 28 de janeiro, por "não ter atingido o nível necessário".

"Depois de ter jogado em Abu Dhabi, percebi que, apesar de pronta, ainda não atingi o nível que quero ter", declarou Serena Williams, num comunidado divulgado pela organização do Open da Austrália.

A tenista referia-se ao encontro de exibição realizado no mês passado, em Abu Dhabi, onde perdeu com a letã Jelena Ostapenko, sétima mundial e vencedora de Roland-Garros em junho.

A norte-americana, de 36 anos, não jogava no circuito feminino desde a final do Open da Austrália, a 28 de janeiro de 2017, na qual venceu a irmã Venus Williams. Depois, Serena deixou de competir devido à gravidez da filha, Alexis Olympia, que nasceu a 01 de setembro.

"Quero jogar, mas não quero apenas jogar, quero fazer melhor que isso e para conseguir, preciso de mais tempo", confessou a atual 22.ª classificada do 'ranking' mundial.

"Dito isto e apesar de dececionada, decidi não disputar o Open da Austrália este ano", concluiu a tenista, que vai falhar o torneio pela primeira vez desde 2011.

Serena Williams conta 23 vitórias na variante de singulares em torneios do 'Grand Slam'.

O anúncio da norte-americana surge menos de 24 horas depois do britânico e antigo número um mundial Andy Murray ter anunciado que não ia participar no Open da Austrália devido a uma lesão na anca.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".