Telma Monteiro vence o ouro no Grand Slam de Paris

Judoca do Benfica volta a conquistar o primeiro lugar na capital francesa

Telma Monteiro conquistou hoje a medalha de ouro no Grand Slam de judo de Paris, a quarta da sua carreira num torneio desta categoria, depois de ter ganho também na capital francesa em 2012.

"É histórico para mim. Estou muito contente, depois do Mundial não ter corrido como eu desejava", declarou a judoca do Benfica após o triunfo na final de -57 kg sobre a mongol Sumiya Dorjsuren, no Bercy Arena.

A atleta de 29 anos fez um balanço "muito positivo" do Grand Slam de Paris, ainda que considere que "não estava na melhor forma", lembrando que "é sempre uma competição muito importante, uma das mais importantes do mundo e é sempre bom ganhar".

Ao longo do dia, a judoca do Benfica bateu a japonesa Yoshida Tsukasa, na meia-final, depois de ter eliminado a húngara Hedvig Karakas, a búlgara Ivelina Ilieva e a argentina Gabriela Narvaez.

"Fiz cinco combates, apanhei adversárias que posso vir a apanhar nos Jogos Olímpicos [Rio2016]. As competições são importantes para crescer e para perceber aquilo que há para melhorar e o que está bem", acrescentou a judoca.

Sergiu Oleinic (-66kg), deixou escapar o bronze face ao japonês Tomofumi Takajo, tendo ficado "com pena", porque "estava perto" e "todos os judocas sonham ter uma medalha neste torneio".

"Por que é que queremos sempre ter bons resultados neste torneio? Porque os portugueses têm uma boa história a nível deste torneio. O Pedro Soares, meu treinador, já ganhou, a Telma Monteiro, o João Pina, que é treinador nacional, e nós queremos sempre conseguir os feitos deles ou melhorar", declarou no final da prova o judoca do Sporting.

Ao longo do dia, Sergiu Oleinic venceu o italiano Elio Verde na repescagem, após a derrota nos quartos-de-final contra Nijat Shikhalizada (Azerbeijão). Antes tinha vencido Júnior Santos (Brasil), no primeiro combate, e Colin Oates (Grã-Bretanha), no segundo.

Na luta pelo bronze, o atleta disse ter sido "surpreendido logo no início do combate com uma vantagem grande, o waza-ari". Depois, começou a recuperar, mas no final quis "ver se ainda conseguia dar a volta" e o adversário acabou por projetá-lo por ippon", descreveu.

Ainda assim, o judoca conseguiu a sua "melhor classificação" no Grand Slam de Paris, estando agora a pensar no Grand Slam de Abu Dhabi, de 30 de outubro a 01 de novembro, e só depois decide se continua a fazer provas este ano ou se para "para treinar bem para voltar em janeiro".

Quanto à restante participação portuguesa deste sábado, Nuno Carvalho (-60kg) foi eliminado à segunda ronda por Vincent Limare (França), depois de ter ganho na primeira contra Sandaniaina Andrianjakavelo (Madagáscar).

André Alves foi eliminado por Sagi Muki (Israel), depois de ter vencido na primeira ronda Cedric Bessi (Mónaco), Diogo César venceu o primeiro combate contra Imad Massou (Marrocos), mas foi eliminado depois por Altansukh Dovdon (Mongólia).

À primeira ronda, foram eliminados Joana Ramos (-52kg), 10.ª do mundo, que perdeu contra Gulbadam Babamuratova (Turquemenistão), Leandra Freitas (-48kg), derrotada por Nathalia Brígida (Brasil) e Jorge Fernandes (-73kg), que foi batido por Van Westende (Holanda).

Este domingo, os portugueses que sobem ao tatami são Yahima Ramirez (-78kg), Diogo Lima (-81kg), Carlos Luz (-81kg), Célio Dias (-90kg) e Diogo Silva (+100kg).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.