Telma Monteiro recebeu alta depois de operação ao joelho esquerdo

A judoca portuguesa vai parar cerca de três meses, mas deverá recuperar a tempo dos Jogos Olímpicos

A judoca portuguesa Telma Monteiro recebeu hoje alta hospitalar, depois de ter sido operada na sexta-feira ao ligamento lateral interno do joelho esquerdo, que a deve obrigar a uma paragem de três meses.

"Saí hoje do hospital. Obrigada do fundo do coração a todas as enfermeiras e auxiliares que cuidaram de mim estes dias (...) e mais uma vez ao Dr. Pereira de Castro e à sua equipa", escreveu Telma Monteiro, na sua página oficial no Facebook.

Telma Monteiro, cinco vezes campeã europeia e quatro vezes vice-campeã mundial, lesionou-se na última semana, no estágio dos judocas lusos por ocasião do Grand Slam de Paris, um dos torneios mais conceituados do mundo e que Telma venceu já em duas ocasiões.

"Vou ser operada a menos de seis meses dos Jogos Olímpicos. Fiquei triste. Mas depois, apesar de tudo, ainda encontrei motivos para agradecer", salientou a judoca na terça-feira, no mesmo dia em que o Benfica comunicou a necessidade de cirurgia.

Na sua carreira, Telma Monteiro já esteve em três Jogos Olímpicos, em Atenas2004 (9.ª classificada) e em Pequim2008 (9.ª) e em Londres2012 (17.ª), ficando sempre aquém do seu estatuto de topo na hierarquia mundial.

Aos 30 anos e quando já conquistou quase tudo, num palmarés em que tem também um triunfo num Masters -- competição que no final da época reúne os mais bem classificados -, Telma Monteiro continua a objetivar uma medalha nos Jogos do Rio de Janeiro.

Atualmente a judoca do Benfica é quarta classificada nos -57 kg no 'ranking' mundial, uma posição perfeitamente elegível para o Rio2016 e quando se apuram as 14 primeiras em cada categoria, com cada país a poder qualificar apenas uma atleta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.