Telma Monteiro à conquista da 12.ª medalha em Europeus

Benfiquista, que subiu sempre ao pódio (11 presenças), é a figura de proa da equipa de 15 portugueses que começa amanhã a competir

O sorteio de hoje (16.00 locais, 14.00 em Portugal continental) é que vai ditar o tom das expectativas portuguesas. Contudo, uma coisa é certa: Telma Monteiro é a figura de proa da comitiva nacional de 15 atletas que amanhã começa a participar nos Campeonatos Europeus de judo, em Telavive (Israel). A judoca benfiquista parte à conquista da 12.ª medalha, em outras tantas participações na competição.

Desde a estreia, em 2004, ainda na categoria -52 kg, Telma Monteiro subiu ao pódio em todos os Europeus em que participou: alcançou cinco medalhas de ouro, cinco de bronze e uma de prata (apenas falhando as edições de 2008, 2016 e 2017 por lesão). "Na última vez em que competi, em 2015, fui campeã da Europa [em Baku, Azerbaijão, quando o evento decorreu em simultâneo com os Jogos Europeus]", recordou, em declarações à BTV.

Agora, a judoca benfiquista mantém a fasquia elevada. "O objetivo é estar no pódio. Seria algo mais uma vez histórico, no sentido de que vai ser bastante competitivo, porque o nível está muito equilibrado. Mas estou confiante de que posso fazer uma boa prestação", perspetivou a atleta almadense, de 33 anos. E tal confiança é subscrita pela selecionadora Ana Hormigo (que partilha funções com o japonês Go Tsonuda): "Tendo a Telma na comitiva podemos chegar sempre a um bom resultado... não dizendo que os outros não poderão surpreender."

Os outros 14 judocas (ver tabela em baixo) também alimentam a ambição da seleção portuguesa de subir ao pódio nos Europeus de judo - como aconteceu em 15 das últimas 16 edições (apenas em 2016 Portugal não conquistou qualquer medalha). "Não gostamos de estar logo a dizer que apontamos para uma medalha, mas também não podemos dizer que não apontamos para isso, porque temos aqui atletas [capazes], apesar de apenas quatro deles serem cabeças-de-série", disse, à Agência Lusa, Ana Hormigo.

Os quatro cabeças-de-série são Telma Monteiro (-57 kg), Sergiu Oleinic (-66 kg), Anri Egutidze (-81 kg) e Jorge Fonseca (-100 kg): três judocas experientes, com passado olímpico, e um jovem em ascensão - o luso-georgiano Egutidze, que chegou às medalhas no mês passado nos Grandes Prémios de Agadir (bronze) e Tblissi (prata). "Os adversários já vão estar mais atentos ao Anri. É um jovem [22 anos] que ainda tem muito para mostrar - temos de fazer reservas, é jovem... -, mas consegue ultrapassar qualquer rival. Atenção, no entanto, que esta é uma categoria bastante competitiva", apontou a selecionadora.

Com a competitividade ao rubro, será do sorteio desta tarde que dependerá muito do futuro dos judocas portugueses nos tatamis de Telavive. Os cabeças-de-série têm garantido o primeiro combate contra um adversário de ranking inferior, mas, depois, o caminho até às finais está em aberto. "Poderão ter um [rival] mais favorável, na primeira ronda, o resto teremos de esperar pelo sorteio", notou Hormigo.

De resto, estes Europeus, que terão de regresso Joana Ramos, medalha de prata em 2011 e bronze em 2017 (volta após uma longa recuperação de uma pneumonia), assumem um carácter especial: são a última grande prova antes do início do apuramento olímpico. Em Telavive começarão a formar-se as esperanças portuguesas para Tóquio 2020.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.