PSP fez 22 detenções e interveio na bancada para minimizar riscos

Sobe para 22 as pessoas detidas nas imediações do estádio nacional do Jamor, na sequência do jogo disputado entre Sporting e Desportivo das Aves

A Polícia de Segurança Pública (PSP) deteve hoje 22 pessoas nas imediações do estádio nacional, no Jamor, onde se disputou a final da Taça de Portugal em futebol, e interveio nas bancadas para tentar minimizar riscos.

Num balanço feito às 20:00, o comissário da PSP Tiago Garcia explicou que a intervenção na bancada do Sporting, depois do segundo golo do Desportivo das Aves, aos 72 minutos, teve como objetivo minimizar riscos.

"Na bancada não houve confusão, o que fizemos foi reforçar a zona dos grupos organizados de adeptos do Sporting para tentar minimizar o risco no caso de alguns adeptos mais descontentes com o resultado, ou com a equipa, tentar entrar no relvado, o que não veio a acontecer", explicou Tiago Garcia, em declarações à agência Lusa.

Segundo o comissário, "das 22 detenções, 14 foram por posse de artefactos pirotécnicos, cinco por ofensa à integridade física de agentes da autoridade e três por especulação (venda ilegal de bilhetes]".

Tiago Garcia referiu ainda um pequeno conflito no qual adeptos do Sporting atiraram pedras a equipas de reportagem que se encontravam na praça da Maratona.

O comissário fez um balanço positivo da operação de segurança montada para a Taça de Portugal, que terminou com a vitória do Desportivo das Aves sobre o Sporting, por 2-1.

"O balanço da operação é positivo, o evento em si decorreu com muita normalidade", referiu, acrescentando: "Os acontecimentos desta semana foram, naturalmente, tidos em conta no planeamento que se fez, mas, como vimos, não houve um reflexo de todos esses acontecimentos na segurança".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.