Confrontos entre elementos da claque Diretivo XXI

Taça Portugal: PSP efetuou 19 detenções antes do início do jogo

A Polícia de Segurança Pública (PSP) efetuou 19 detenções nas imediações do estádio nacional, no Jamor, antes do início da final da Taça de Portugal em futebol, que opõe o Desportivo das Aves ao Sporting.

"No total, foram efetuadas 19 detenções, das quais 13 por posse de artefactos pirotécnicos, duas por especulação (venda ilegal de bilhetes) e quatro por ofensas à integridade física de agentes da autoridade", disse à agência Lusa o comissário da PSP Tiago Garcia.

O comissário explicou que um dos detidos por posse de artefactos foi também considerado culpado de ofensa à integridade física de uma equipa de reportagem da RTP.

Tiago Garcia considerou que, apesar de todo o ambiente que se tem vivido no Sporting, toda a operação de segurança em torno da final "está a decorrer com grande normalidade.

Em declarações à TVI 24, o comissário da Polícia de Segurança Pública Tiago Garcia, explicou que se verificaram confrontos entre elementos da claque Diretivo XXI.

Segundo o DN apurou, um dos elementos da claque Diretivo XXI que foi detido no Jamor é o líder deste grupo. Na base da detenção está a posse de artefactos pirotécnicos e uma agressão a um jornalista.

"Verificaram-se confrontos entre adeptos que obrigaram à intervenção da policia, vinha um indivíduo detido, ainda não tenho informação do motivo", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.