Vitória do Aves. Foi a 14.ª vez que um 'pequeno' derrotou um 'grande'

A formação da Vila das Aves é a primeira estreante a vencer a prova desde o Estrela da Amadora, em 1989/90

O Desportivo das Aves selou hoje o 14.º triunfo de um 'pequeno' face a um 'grande' numa final da Taça de Portugal em futebol, em 51 tentativas, ao vencer o Sporting (2-1), no jogo decisivo da edição 78.

A formação da Vila das Aves, a primeira estreante a vencer a prova desde o Estrela da Amadora, em 1989/90, sucedeu a Boavista (quatro triunfos), Belenenses, Académica e Vitória de Setúbal (dois) e Leixões, Vitória de Guimarães e Sporting de Braga (um).

O Boavista perdeu uma vez com o Benfica (2-5 em 1992/93, na final de Paulo Futre, que 'bisou'), mas venceu duas (2-1 em 1974/75, com tentos de João Alves e Mané, e 3-2 em 1996/97, com dois golos de Sanchez e um de Nuno Gomes).

Face a Sporting e FC Porto, o Boavista jogou uma final com cada, vencendo os 'leões' em 1978/79, num segundo jogo, graças a um tento solitário de Júlio, e os 'dragões' em 1991/92, por 2-1, com tentos de Marlon Brandão e Ricky.

Por seu lado, o Belenenses ganhou ao Sporting em 1959/60, por 2-1, com tentos de António Carvalho e Matateu, e superou o Benfica em 1988/89, com um triunfo por 2-1, selado por Chico Faria e Juanico.

O conjunto do Restelo está, porém, em desvantagem face aos seus dois conterrâneos, pois perdeu duas finais com as 'águias' e três face aos 'leões'.

Quanto ao Vitória de Setúbal, ganhou duas de quatro finais com o Benfica, por 3-1 em 1964/65 e, mais recentemente, 2-1 em 2004/05, mas tem um balanço negativo face aos 'grandes', pois perdeu duas com o Sporting e outros tantas com o FC Porto.

No que respeita a triunfos de 'pequenos' face a 'grandes', a Académica foi a primeira equipa a consegui-lo: 4-3 ao Benfica na final da primeira edição, acabando por repetir o feito há seis anos, batendo o Sporting, por 1-0.

A 'briosa' ainda jogou mais duas finais com o clube da Luz, tendo perdido por 5-1 em 1950/51 e por 2-1 em 1968/69, num embate que ficou marcado por intensas manifestações estudantis.

O Leixões foi outros dos emblemas a superar os 'grandes', conseguindo vencer o FC Porto por 2-0 em 1960/61, em pleno Estádio das Antas, com golos de Osvaldo Silva e Manuel Oliveira. Em 2001/02, perdeu por 1-0 com o Sporting.

Mais recentemente, o Vitória de Guimarães, então orientado por Rui Vitória, seguiu estas 'pisadas' e venceu o Benfica, em 2012/13, com golos de Soudani e Ricardo Pereira, que anularam o tento inaugural de Gaitán, agravando um final de época penoso para os 'encarnados', comandados por Jorge Jesus.

Os vitorianos, que na época passada foram derrotados pelas 'águias', por 2-1, apenas alcançaram o sucesso à quarta tentativa, depois de terem perdido 0-4 com o Sporting em 1962/63 e 0-1 e 2-6 com o FC Porto, em 1987/88 e 2010/11, respetivamente.

A última formação a superiorizar-se a um 'grande' tinha sido o Sporting de Braga. Em 2016, os 'arsenalistas' venceram o FC Porto no desempate por grandes penalidades, após o 2-2 registado no final do prolongamento, resultado que lhes permitiu arrecadar o segundo troféu da prova rainha, repetindo o triunfo de 1965/66, frente ao Vitória de Setúbal.

De resto, os bracarenses tinham perdido um ano antes (2014/15), diante do Sporting - precisamente no desempate por penáltis - o mesmo acontecendo em 1981/82 (0-4). Somam outros dois desaires em finais com o FC Porto, em 1976/77 (0-1) e 1997/98 (1-3).

Hoje, no Jamor, coube ao Desportivo das Aves 'escrever' o 14.º triunfo de um 'pequeno' face a um 'grande', ao bater o Sporting por 2-1, graças a um 'bis' de Alexandre Guedes, que faturou aos 16 e 72 minutos. O colombiano Montero ainda reduziu, aos 85.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.