Vitória do Aves. Foi a 14.ª vez que um 'pequeno' derrotou um 'grande'

A formação da Vila das Aves é a primeira estreante a vencer a prova desde o Estrela da Amadora, em 1989/90

O Desportivo das Aves selou hoje o 14.º triunfo de um 'pequeno' face a um 'grande' numa final da Taça de Portugal em futebol, em 51 tentativas, ao vencer o Sporting (2-1), no jogo decisivo da edição 78.

A formação da Vila das Aves, a primeira estreante a vencer a prova desde o Estrela da Amadora, em 1989/90, sucedeu a Boavista (quatro triunfos), Belenenses, Académica e Vitória de Setúbal (dois) e Leixões, Vitória de Guimarães e Sporting de Braga (um).

O Boavista perdeu uma vez com o Benfica (2-5 em 1992/93, na final de Paulo Futre, que 'bisou'), mas venceu duas (2-1 em 1974/75, com tentos de João Alves e Mané, e 3-2 em 1996/97, com dois golos de Sanchez e um de Nuno Gomes).

Face a Sporting e FC Porto, o Boavista jogou uma final com cada, vencendo os 'leões' em 1978/79, num segundo jogo, graças a um tento solitário de Júlio, e os 'dragões' em 1991/92, por 2-1, com tentos de Marlon Brandão e Ricky.

Por seu lado, o Belenenses ganhou ao Sporting em 1959/60, por 2-1, com tentos de António Carvalho e Matateu, e superou o Benfica em 1988/89, com um triunfo por 2-1, selado por Chico Faria e Juanico.

O conjunto do Restelo está, porém, em desvantagem face aos seus dois conterrâneos, pois perdeu duas finais com as 'águias' e três face aos 'leões'.

Quanto ao Vitória de Setúbal, ganhou duas de quatro finais com o Benfica, por 3-1 em 1964/65 e, mais recentemente, 2-1 em 2004/05, mas tem um balanço negativo face aos 'grandes', pois perdeu duas com o Sporting e outros tantas com o FC Porto.

No que respeita a triunfos de 'pequenos' face a 'grandes', a Académica foi a primeira equipa a consegui-lo: 4-3 ao Benfica na final da primeira edição, acabando por repetir o feito há seis anos, batendo o Sporting, por 1-0.

A 'briosa' ainda jogou mais duas finais com o clube da Luz, tendo perdido por 5-1 em 1950/51 e por 2-1 em 1968/69, num embate que ficou marcado por intensas manifestações estudantis.

O Leixões foi outros dos emblemas a superar os 'grandes', conseguindo vencer o FC Porto por 2-0 em 1960/61, em pleno Estádio das Antas, com golos de Osvaldo Silva e Manuel Oliveira. Em 2001/02, perdeu por 1-0 com o Sporting.

Mais recentemente, o Vitória de Guimarães, então orientado por Rui Vitória, seguiu estas 'pisadas' e venceu o Benfica, em 2012/13, com golos de Soudani e Ricardo Pereira, que anularam o tento inaugural de Gaitán, agravando um final de época penoso para os 'encarnados', comandados por Jorge Jesus.

Os vitorianos, que na época passada foram derrotados pelas 'águias', por 2-1, apenas alcançaram o sucesso à quarta tentativa, depois de terem perdido 0-4 com o Sporting em 1962/63 e 0-1 e 2-6 com o FC Porto, em 1987/88 e 2010/11, respetivamente.

A última formação a superiorizar-se a um 'grande' tinha sido o Sporting de Braga. Em 2016, os 'arsenalistas' venceram o FC Porto no desempate por grandes penalidades, após o 2-2 registado no final do prolongamento, resultado que lhes permitiu arrecadar o segundo troféu da prova rainha, repetindo o triunfo de 1965/66, frente ao Vitória de Setúbal.

De resto, os bracarenses tinham perdido um ano antes (2014/15), diante do Sporting - precisamente no desempate por penáltis - o mesmo acontecendo em 1981/82 (0-4). Somam outros dois desaires em finais com o FC Porto, em 1976/77 (0-1) e 1997/98 (1-3).

Hoje, no Jamor, coube ao Desportivo das Aves 'escrever' o 14.º triunfo de um 'pequeno' face a um 'grande', ao bater o Sporting por 2-1, graças a um 'bis' de Alexandre Guedes, que faturou aos 16 e 72 minutos. O colombiano Montero ainda reduziu, aos 85.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)