Adeptos junto ao estádio do Aves para receber heróis

Chegada da equipa estava prevista para a 1.30

Algumas centenas de pessoas estão concentradas junto ao estádio do Desportivo das Aves, para saudar a equipa que domingo conquistou a Taça de Portugal de futebol e viaja desde a capital.

Com a maior parte da população da Vila das Aves também ainda a fazer a viagem de regresso para a localidade, depois de ter assistido à partida no Jamor, a festa está ser feita já por mais de duas centenas de pessoas, que aguardam a chegada dos jogadores, prevista para as 01:30.

Para já, a animação no local está cargo de um DJ, que numa improvisada 'fan zone' junto ao recinto, com algumas barracas de comidas e bebidas, vai mantendo a pequena multidão entretida com música e cânticos alusivos à conquista do troféu.

Numa noite que promete ser longa na freguesia do concelho de Santo Tirso, a equipa será recebida pelos adeptos num palco que está montado, também junto ao estádio, onde será a consagração e a taça exibida aos adeptos.

Com o avançar das horas, é expectável que se juntem à festa grande parte dos cerca de seis mil adeptos que estiveram no Jamor, e que estão a caminho de Vila das Aves em cerca uma centena de autocarros.

Na fila da frente junto ao palco, Arminda Loureiro, garantiu à Agência Lusa que "hoje a Vila das Aves não tem horas para ir para cama".

"Vamos esperar até que horas for preciso para receber os nossos heróis. É um momento histórico na nossa vila, que será difícil repetir, e temos de estar presente", partilhou a adepta trajada com as cores vermelha e branca do clube.

Um pouco ao lado, Paul Almeida também prometeu aguardar o que for preciso para saudar os jogadores, mesmo que tal "signifique dormir poucas horas".

"Vai ser uma segunda-feira difícil no trabalho, porque vou passar poucas horas pela cama, mas este é um feito tão especial que vale a pena o sacrifício", confessou, olhando para o relógio.

O Desportivo das Aves tornou-se hoje o 13.º clube a conquistar a Taça de Portugal em futebol, ao vencer o Sporting por 2-1, na final da 78.ª edição da prova, disputada no Estádio do Jamor, em Oeiras.

O avançado Alexandre Guedes, de 24 anos, foi o 'herói' dos comandados de José Mota, ao 'bisar', aos 16 e 72 minutos, enquanto o suplente colombiano Montero marcou o golo do conjunto de Jorge Jesus, aos 85.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.