Carlos Carvalhal deixa Swansea City

Depois de nove derrotas consecutivas nos últimos jogos, a equipa inglesa acabou por ser despromovida para o 'Championship', a segunda divisão do futebol inglês

O Swansea City anunciou hoje ter prescindido dos serviços do treinador português Carlos Carvalhal, depois de a equipa ter sido despromovida ao 'Championship', segunda liga inglesa de futebol.

"Primeiro, tenho que agradecer ao presidente Huw Jenkins e a Stephen Kaplan e Jason Levien [proprietários maioritários do clube] por todo o seu apoio. Foi um grande prazer treinar o Swansea City e estou muito agradecido pela forma como tanto o clube como a cidade me receberam", afirmou Carvalhal, na sua mensagem de despedida divulgada no site oficial do clube.

Carvalhal estendeu os seus agradecimentos aos jogadores, dirigentes e todo o staff que compõe o Swansea, bem como ao tratamento que recebeu por parte da comunicação social local e nacional.

Especialmente, tenho de agradecer aos adeptos. Foram absolutamente fantásticos durante o tempo em que aqui estive e na forma apaixonada como seguiram a equipa, tanto em casa como fora. Devem estar bastante orgulhosos pelo apoio que prestaram

O técnico termina a nota desejando o melhor para o clube, o qual refere passar a ser seu adepto "para sempre".

Na nota publicada na sua página, o Swansea refere que terminou a sua ligação com Carlos Carvalhal e a sua equipa técnica, estando neste momento à procura do técnico para a próxima temporada.

"Queremos manifestar o nosso agradecimento ao Carlos [Carvalhal] pelo entusiasmo, trabalho árduo e compromisso evidenciados desde a sua chegada ao clube em dezembro passado", pode ler-se na nota.

O Swansea acrescenta que no clube ficaram "naturalmente dececionados" com a descida de divisão e que, após conversas com o técnico luso, foi decidido que deveriam "seguir uma nova direção"

Carlos Carvalhal assumiu o comando técnico do Swansea em 28 de dezembro passado e, depois de ter obtido cinco vitórias nos seus primeiros nove jogos, conseguiu que a equipa saísse da zona de despromoção.

No entanto, o final de campeonato foi difícil e a equipa acabou por descer de divisão, depois de não ter conseguido obter qualquer vitória nos seus últimos nove jogos.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.