Suspensão de jogo do Feirense nas casas de apostas volta a levantar suspeitas

ATUALIZADA com comunicado da Bet.pt. A Santa Casa deixou de aceitar apostas no 'Placard' para o jogo de hoje entre Paços de Ferreira e o Feirense e anulou as apostas registadas até esse momento

O jogo Paços de Ferreira - Feirense foi suspenso no Placard, o jogo de apostas desportivas da Santa Casa, e deixou de ser oferecido também no site da Betclic.

As apostas mantiveram-se normais no site da Bet.pt.

Esta explicou em comunicado que "não detetou atividade anormal relacionada com o jogo Paços de Ferreira vs Feirense", pelo que não viu necessidade de suspender as apostas.

A Bet.pt "considera precipitada a decisão do regulador" de suspender as apostas, "tendo em conta a fraca evidência demonstrada publicamente e que põe em causa a idoneidade de todos os que participam na competição organizada pela liga de clubes de futebol".

"O impacto que este tipo de decisões, tão pouco fundamentadas, tem na opinião pública, no negócio e nos agentes relacionados com o desporto e o futebol, é negativo e duradouro", conclui o comunicado.

É o segundo jogo do Feirense suspenso por casas de apostas este ano, depois de um jogo contra o Rio Ave ter dado muita polémica. Em causa estarão elevados montantes apostas no Feirense - tal como há meses, o prognóstico favorecido é a vitória do clube de Santa Maria da Feira.

Na única casa de apostas que disponibilizou o jogo, o Feirense aparecia como claro favorito, apesar de jogar fora e de estar apenas com mais quatro pontos do que o Paços na tabela da I Liga [ATUALIZAÇÃO: O Feirense venceu por 1-0]. Além disso, o Paços só registou duas derrotas em casa esta temporada, uma com o Sporting e outra com o Moreirense, a 20 de janeiro, e não perde há várias jornadas.

Em comunicado, a Santa Casa informou que o seu departamento de jogos "decidiu não aceitar mais apostas" para o jogo e vai proceder à "anulação das apostas registadas até ao momento, cumprindo o disposto no regulamento do jogo".

Este é a segunda vez que o Feirense está nesta situação este ano, sendo que as apostas no jogo caseiro com o Rio Ave, da 20ª jornada, também foram suspensas - a partir dessa altura deixou de ser possível registar apostas naquele jogo, embora todas feitas anteriormente tenham sido pagas. Na altura, o Departamento de Jogos da Santa informou que decidiu suspender a aceitação de apostas "atendendo ao volume atípico de apostas registado e ao risco financeiro envolvido", algo que está previsto na portaria que regulamenta o jogo Placard.

O Ministério Público decidiu dias mais tarde instaurar inquérito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.