Suspeitas de corrupção estendem-se ao futebol

Além do andebol, o Sporting também estará a ser investigado por suspeitas de corrupção no futebol

Às suspeitas de corrupção no andebol, juntam-se as de corrupção no futebol no Sporting. Jogadores poderão ter recebido dinheiro para facilitar vitórias do Sporting em jogos da época passada, mas também no início desta temporada, avança a edição desta quarta-feira do Jornal de Notícias (JN)

Segundo o jornal, "os valores poderão ter atingido os 12.500 euros".

As suspeitas surgiram após a denúncia de Paulo Silva, que alega ter corrompido árbitros de andebol e jogadores de futebol.

O Jornal de Notícias conta que as instruções dadas aos atletas pelo empresário Paulo Silva seriam no sentido de darem "espaço ao Bas Dost", para que este pudesse marcar golos.

Jogos do Sporting frente ao Guimarães, Feirense, Chaves, Tondela, Aves e Estoril estão a ser investigados, apurou o JN. Terão sido estas as equipas dos atletas que Paulo Silva garante ter abordado.

Um dos jogadores em causa foi contactado pelo JN e negou ter participado neste esquema de corrupção. "Não conheço esse senhor [Paulo Silva], nunca estive com ele, nem nunca entrei em esquemas destes. Isso é pura invenção", disse o atleta do Vitória de Guimarães, que esteve no jogo em que Sporting venceu por 5-0, no passado mês de agosto.

De acordo com o jornal, o empresário Paulo Silva fez uma participação formal no Departamento de Investigação e Ação Penal do Ministério Público do Porto. Na altura, entregou telemóveis com mensagens áudio de WhatsApp, uma aplicação de mensagens. Neste esquema de corrupção, o denunciante envolve um outro empresário, que estará ligado ao Sporting.

Instruções de pagamentos, de encontros com árbitros e com jogadores de futebol constam das mensagens escritas. Gonçalo Rodrigues, do Gabinete de Apoio ao Atleta e Modalidades Profissionais do Sporting, que ontem suspendeu as suas funções no clube, aparece nas trocas de mensagens, refere o jornal.

O Sporting negou qualquer esquema de corrupção.

Suspeitas de corrupção no andebol

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou ontem ao Diário de Notícias que o DIAP do Porto está a investigar o alegado esquema de corrupção que envolve o Sporting no andebol. O processo está em segredo de justiça.

Segundo avançou o Correio da Manhã (CM), o alegado esquema de corrupção no andebol envolvia "a compra de equipas de arbitragem, quer para os leões ganharem, quer para o FC Porto, com o qual disputaram o campeonato até ao fim, perder" e abrangeu a época de 2016/17, ganha pelo Sporting.

O CM cita conversas e trocas de mensagens de voz entre empresários, na aplicação da internet WhatsApp, e que segundo o jornal "mostram como André Geraldes, hoje diretor de futebol do Sporting, coordenava toda a batota".

O jornal publica ainda uma entrevista com um empresário - Paulo Silva -, alegadamente intermediário em todo o esquema, que fala em "fraude nas modalidades", confessa ter alinhado no esquema de corrupção "ao serviço do seu clube do coração [Sporting]" e diz que recebia 350 euros por cada árbitro de andebol que corrompia.

Já esta quarta-feira, a Polícia Judiciária está a efetuar buscas na SAD do Sporting relacionadas com suspeitas de atos de corrupção.

Segundo o CM, que avançou a notícia, as buscas decorrem no âmbito da investigação à corrupção desportiva no Sporting sobre a compra de árbitros no andebol. Decorrem ainda buscas na residência do Paulo Silva, que era quem alegadamente pagava aos árbitros, servindo de intermediário de André Geraldes (que no ano passado coordenava as modalidades), de acordo com notícias desta terça-feira.

As buscas envolvem elementos da Unidade nacional de Combate à Corrupção.

Já há quatro detidos e um deles é André Geraldes, diretor do futebol do Sporting, segundo a CMTV.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.