Sub-21 perdem duelo ibérico e ficam de calculadora na mão para a Macedónia

Equipa de Rui Jorge, derrotada pela Espanha, falhou acesso direto às meias finais. Seleção não perdia desde outubro de 2011 e está obrigada a ganhar o último jogo para ser o segundo melhor dos três grupos. Bruma marcou golaço.

Algum dia tinha de ser. Rui Jorge já tinha avisado que algum dia a seleção sub-21 de Portugal ia perder um jogo nos 90 minutos. Aconteceu, ontem, cinco anos e oito meses depois do último desaire (Rússia, em outubro de 2011), frente a uma fortíssima Espanha, recheada de jovens talentos com rodagem na liga espanhola (3-1). La Rojita foi mais eficaz e apurou-se assim para as meias finais do Europeu Sub-21. Portugal fica obrigado a vencer a Macedónia no último jogo. E vencer pode não ser suficiente, já que só o segundo melhor dos três grupos segue em frente...

Depois do empate entre Sérvia e Macedónia (2-2), o jogo valia o apuramento direto para as meias finais para quem o ganhasse. E Portugal entrou com Renato Sanches no lugar de Diogo Jota, que tinha sido titular frente à Sérvia. Uma alteração que obrigava Podence a jogar mais na frente, juntamente com Gonçalo Guedes.

Uma estratégia, sem ponta de lança fixo, que resultou bem no início. E se o remate de Podence aos 11 minutos tivesse entrado, em vez de bater com estrondo no poste direito da baliza da Espanha, a história do duelo Ibérico poderia ter sido bem diferente.

Depois disso a seleção nacional tremeu e quem aproveitou foi Saúl Ñiguez para adiantar a seleção espanhola, aos 21". O jovem médio do Atlético de Madrid fez o segundo golo em dois jogos neste Europeu.

A reação portuguesa fez-se às custas da velocidade de Podence, mas sem causar grande perigo a Arrizabalaga. Na outra baliza, Bruno Varela teve de se mostrar para impedir o segundo golo dos espanhóis, quando Hector Bellerín lhe surgiu sozinho pela frente.

Após o intervalo, a seleção nacional manteve o mesmo onze, a mesma vontade de dar a volta ao resultado, mas também a mesma precipitação no remate. Por isso a Espanha esteve sempre mais perto do 2-0 - e conseguiu-o por Sandro Ramirez -, do que Portugal do 1-1.

E só com a entrada de Bruma (para o lugar de Podence) Portugal encontrou a baliza, com aquele que, muito provavelmente, será o golo do Europeu. Um remate de pé esquerdo, de fora da área, sem deixar a bola cair. Um golo verdadeiramente extraordinário de Bruma que deu alento a Portugal para procurar o empate. Mas o coração mandou mais do que a cabeça e voltou a penalizar os sub-21 nacionais, que sofrerem o 3-1 (por Wiliams) já depois dos 90 minutos. Portugal perdeu ainda Bruno Fernandes e Rúben Semedo, por castigo, para o jogo com a Macedónia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.