Ricciardi diz que há risco de insolvência

Antigo apoiante de Bruno de Carvalho prevê arrastamento da crise institucional no Sporting e avisa que haverá "danos irreversíveis".

O banqueiro e sócio do Sporting José Maria Ricciardi afirmou esta quinta-feira que a SAD 'leonina' corre risco de insolvência caso continue a arrastar-se a crise institucional que atravessa.

"O Sporting corre o risco de não ter liquidez para fazer face aos seus compromissos nesta atual situação, que se vai arrastar", afirmou Ricciardi à CMTV.

Comentando a suspensão de Bruno de Carvalho decretada quarta-feira pela comissão de fiscalização designada pela Mesa da Assembleia Geral (MAG), logo contestada pelo presidente do Conselho Diretivo e pela comissão transitória da MAG por si nomeada, Ricciardi diz que não vê um fim à vista e considera que "vai haver danos irreversíveis".

"Vamos assistir a uma nova ida para os tribunais [...]. Tudo isto se vai arrastar e amanhã vamos assistir a novas rescisões do plantel do Sporting e o clube ficará em situação financeira cada vez mais difícil", afirmou o antigo membro do Conselho Leonino, que apoiou Bruno Carvalho no seu primeiro mandato e que agora defende a sua saída.

Na opinião de Ricciardi, "se as coisas tivessem corrido normalmente, se o Sporting tivesse ido à Liga dos Campeões, se não houvesse estas rescisões [de Rui Patrício, Daniel Podence, Bruno Fernandes, Gelson Martins, William Carvalho e Bas Dost, que alegaram justa causa], o Sporting tinha um plantel valiosíssimo".

"Iríamos fazer uma nova emissão de obrigações, o Sporting estava a negociar uma recompra de VMOC [valores mobiliários obrigatoriamente convertíveis] por um valor muito baixo, o que iria diminuir ainda mais o passivo. Como há muitos jogadores da formação que estão por zero no ativo, quer dizer que a situação líquida da SAD iria ser ainda maior", afirmou.

Ricciardi vê posta em risco a possibilidade de revender todo o passivo do Sporting a uma terceira entidade bancária, que o iria comprar por um valor mais baixo, contribuindo também para "uma situação líquida muito mais forte".

"Bruno de Carvalho, nos últimos meses, deitou tudo a perder. De tal maneira que pergunto como vai ser possível reerguer uma SAD que está a levar um rombo de centenas de milhões de euros", sublinhou.

Ricciardi acrescentou que "as pessoas não estão a perceber as consequências a nível social e político que pode ter uma situação de insolvência da SAD do Sporting, que é a mola de qualquer clube".

"Estão a subestimar e acho inaceitável que se vá arrastando penosamente perante a passividade de todas as autoridades. Podem perguntar: 'o que é que podem fazer?'. Não sei, mas se fosse em Inglaterra, na Alemanha, em França ou Espanha, uma situação como esta que se passou, nomeadamente o que aconteceu em Alcochete, já estava resolvida. Este arrastamento que se vai continuar a verificar [...] é muito perigoso e estamos numa situação limite", completou.

A crise no Sporting aceletou após as agressões sofridas por vários elementos do plantel e da equipa técnica a 15 de maio na Academia do Sporting, em Alcochete, levadas a cabo por cerca de 40 pessoas encapuzadas, dos quais 27 foram detidos e ficaram em prisão preventiva.

Depois destes acontecimentos, a maioria dos membros da Mesa da Assembleia Geral (MAG) e do Conselho Fiscal e Disciplinar (CFD) e parte da direção apresentaram a sua demissão, defendendo que Bruno de Carvalho não tinha condições para permanecer no cargo.

Após duas reuniões dos órgãos sociais, o presidente demissionário da MAG, Jaime Marta Soares, marcou uma Assembleia Geral para votar a destituição do Conselho Diretivo (CD), para 23 de junho - sobre a qual foi interposta uma providência cautelar para a sua realização pela MAG que foi indeferida pelo Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa - e criou uma comissão de fiscalização para evitar o vazio provocado pela demissão da maioria dos elementos do CFD.

O CD, que não reconhece legitimidade a esta decisão, criou uma comissão transitória da MAG, que, por sua vez, convocou uma AG ordinária para o dia 17 de junho, para aprovação do Orçamento da época 2018/19, análise da situação do clube e para esclarecimento aos sócios, e marcou uma AG eleitoral para a MAG e para o CFD para o dia 21 de julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.