Pedida prisão preventiva para os 23 arguidos envolvidos nos incidentes na Academia

O Ministério Público pediu hoje a prisão preventiva dos 23 arguidos envolvidos nos incidentes na terça-feira na academia de Alcochete.

Ao pedir a medida de coação mais gravosa para os arguidos, o Ministério Público invocou "perigo de fuga, perigo de perturbação do decurso do inquérito", "perigo da continuação de atividade criminosa" e "perturbação da ordem pública".

Após o Ministério Público propor esta medida de coação privativa da liberdade, caberá aos advogados de defesa pronunciarem-se sobre o pedido, sendo a última decisão a do juiz de instrução criminal.

Nos últimos dias, o juiz inquiriu no Tribunal do Barreiro os 23 envolvidos nos incidentes na academia de Alcochete, mas só nove é que optaram por prestar declarações.

Na quarta-feira, o Ministério Público informou que os detidos das agressões aos futebolistas do Sporting são suspeitos de práticas que podem configurar "crimes de sequestro, ameaça agravada, ofensa à integridade física qualificada, e terrorismo, entre outros".

Na última terça-feira, antes do primeiro treino para a final da Taça de Portugal, em que o Sporting defronta hoje o Desportivo das Aves, a equipa de futebol foi atacada na Academia de Alcochete por um grupo de cerca de 50 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos e jogadores. A GNR deteve 23 dos atacantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.