Sporting é o que cede mais jogadores entre os grandes

Leões podem recuperar lesionados durante a pausa do campeonato, mas vão perder dez jogadores (sete titulares). FC Porto sem sete atletas e Benfica sem seis.

Depois de muitas dores de cabeça para formular listas de convocados e até os onzes dos últimos jogos, Jorge Jesus certamente estaria a ansiar por uma pausa no campeonato para ver alguns lesionados recuperarem e dar descanso às pernas de futebolistas que têm jogado praticamente de três em três dias.

Contudo, a Academia do clube, em Alcochete, sofreu um autêntico esvaziamento durante estas datas FIFA. No total, são dez jogadores (Coentrão foi dispensado) que vão estar ao serviço das respetivas seleções nacionais, entre os quais sete habituais titulares: Rui Patrício, William Carvalho, Bruno Fernandes e Gelson Martins (Portugal), Coates (Uruguai), Acuña (Argentina) e Bas Dost (Holanda).

Felizmente para o treinador leonino, apenas Coates vai estar fora da Europa. O central uruguaio, à imagem do portista Maxi Pereira, vai disputar um torneio quadrangular em que a seleção celeste vai participar em solo chinês. No dia 23 vai defrontar a República Checa, três dias depois medirá forças com a China ou o País de Gales. O facto de ter de lidar com um fuso horário bastante diferente do de Lisboa e as muitas horas de viagem constituem motivos de preocupação para os responsáveis verde e brancos, até porque no dia 31 há uma deslocação a... Braga.

Por outro lado, Bruno César (entorse no joelho), Doumbia (lesão muscular nos gémeos da perna esquerda), Podence (fratura de Lisfranc no pé esquerdo) e Fábio Coentrão (queixas numa das coxas) poderão conhecer avanços nas recuperações das respetivas lesões, tendo em vista o último mês e meio da temporada.

Portistas espalhados pelo mundo

O FC Porto tem sete jogadores nas seleções, dos quais três são titulares indiscutíveis: Herrera (México), Aboubakar (Camarões) e Brahimi (Argélia).

Contudo, os azuis e brancos são os que têm os jogadores mais espalhados pelo planeta, com um quinteto que vai estar entre 30 e 40 horas em viagens. O trio mexicano Herrera, Corona e Reyes - tal como o benfiquista Jiménez - vai concentrar-se nos Estados Unidos para jogar nesta sexta-feira na Califórnia diante da Islândia e daqui a uma semana no Texas frente à Croácia. Aboubakar, que terá de apresentar-se nos Camarões, vai viajar para o Kuwait a fim de defrontar a seleção local no domingo. Já Maxi Pereira estará na China.

Porém, nem tudo são más notícias para a equipa de Sérgio Conceição, que só voltará a jogar a 2 de abril, no Restelo, e que estará mais perto de contar novamente com os lesionados Danilo e Marega.

Rui Vitória mais descansado

O Benfica vai ceder seis jogadores às seleções nacionais, mas apenas um é titular na equipa de Rui Vitória: Zivkovic (Sérvia).

Rúben Dias e Salvio foram chamados por Portugal e Argentina, mas acabaram excluídos devido a problemas físicos. Ainda assim, pelo menos o jovem central deverá recuperar a tempo da receção de dia 31 ao V. Guimarães.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.