Sporting é o que cede mais jogadores entre os grandes

Leões podem recuperar lesionados durante a pausa do campeonato, mas vão perder dez jogadores (sete titulares). FC Porto sem sete atletas e Benfica sem seis.

Depois de muitas dores de cabeça para formular listas de convocados e até os onzes dos últimos jogos, Jorge Jesus certamente estaria a ansiar por uma pausa no campeonato para ver alguns lesionados recuperarem e dar descanso às pernas de futebolistas que têm jogado praticamente de três em três dias.

Contudo, a Academia do clube, em Alcochete, sofreu um autêntico esvaziamento durante estas datas FIFA. No total, são dez jogadores (Coentrão foi dispensado) que vão estar ao serviço das respetivas seleções nacionais, entre os quais sete habituais titulares: Rui Patrício, William Carvalho, Bruno Fernandes e Gelson Martins (Portugal), Coates (Uruguai), Acuña (Argentina) e Bas Dost (Holanda).

Felizmente para o treinador leonino, apenas Coates vai estar fora da Europa. O central uruguaio, à imagem do portista Maxi Pereira, vai disputar um torneio quadrangular em que a seleção celeste vai participar em solo chinês. No dia 23 vai defrontar a República Checa, três dias depois medirá forças com a China ou o País de Gales. O facto de ter de lidar com um fuso horário bastante diferente do de Lisboa e as muitas horas de viagem constituem motivos de preocupação para os responsáveis verde e brancos, até porque no dia 31 há uma deslocação a... Braga.

Por outro lado, Bruno César (entorse no joelho), Doumbia (lesão muscular nos gémeos da perna esquerda), Podence (fratura de Lisfranc no pé esquerdo) e Fábio Coentrão (queixas numa das coxas) poderão conhecer avanços nas recuperações das respetivas lesões, tendo em vista o último mês e meio da temporada.

Portistas espalhados pelo mundo

O FC Porto tem sete jogadores nas seleções, dos quais três são titulares indiscutíveis: Herrera (México), Aboubakar (Camarões) e Brahimi (Argélia).

Contudo, os azuis e brancos são os que têm os jogadores mais espalhados pelo planeta, com um quinteto que vai estar entre 30 e 40 horas em viagens. O trio mexicano Herrera, Corona e Reyes - tal como o benfiquista Jiménez - vai concentrar-se nos Estados Unidos para jogar nesta sexta-feira na Califórnia diante da Islândia e daqui a uma semana no Texas frente à Croácia. Aboubakar, que terá de apresentar-se nos Camarões, vai viajar para o Kuwait a fim de defrontar a seleção local no domingo. Já Maxi Pereira estará na China.

Porém, nem tudo são más notícias para a equipa de Sérgio Conceição, que só voltará a jogar a 2 de abril, no Restelo, e que estará mais perto de contar novamente com os lesionados Danilo e Marega.

Rui Vitória mais descansado

O Benfica vai ceder seis jogadores às seleções nacionais, mas apenas um é titular na equipa de Rui Vitória: Zivkovic (Sérvia).

Rúben Dias e Salvio foram chamados por Portugal e Argentina, mas acabaram excluídos devido a problemas físicos. Ainda assim, pelo menos o jovem central deverá recuperar a tempo da receção de dia 31 ao V. Guimarães.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.