André Geraldes e restantes detidos já estão no TIC do Porto

O diretor para o futebol do Sporting e mais três detidos no âmbito da operação 'Cashball' já foram presentes a tribunal por suspeita de corrupção ativa

Os quatro detidos pela Polícia Judiciária no âmbito da operação 'Cashball' de viciação de resultados de jogos da I Liga de futebol, suspeitos de atos de corrupção, chegaram pelas 14:15 ao Tribunal de Instrução Criminal, do Porto.

A Polícia Judiciária (PJ) deteve quatro pessoas na quarta-feira, incluindo o diretor para o futebol do Sporting, André Geraldes, e efetuou buscas na SAD do Sporting, em Lisboa, por "suspeitas de corrupção ativa", no âmbito de uma operação denominada 'Cashball'.

Os detidos chegaram em quatro viaturas distintas cerca das 14:15 à porta do TIC do Porto, conforme a agência Lusa presenciou no local, tendo entrado nas instalações onde devem ser ouvidos esta quarta-feira à tarde.

Entre os detidos, estão o diretor para o futebol do Sporting, André Geraldes, e os empresários Paulo Silva e João Gonçalves, além de Gonçalo Rodrigues, igualmente funcionário do clube leonino.

O futebolista do Vitória de Guimarães João Aurélio, que viu o seu nome envolvido, já negou qualquer participação num esquema de viciação de resultados em benefício do Sporting.

Também o Desportivo das Aves, cujo capitão foi citado em alegadas conversas no sentido de favorecer o Sporting, manifestou "surpresa quanto às notícias que envolvem Nélson Lenho", afirmando a total confiança no futebolista.

Por seu turno, o Clube Desportivo de Tondela, um dos clubes alegadamente visados na investigação, colocou-se hoje à disposição das autoridades competentes para a "colaboração total e inequívoca" nas investigações em curso de alegada viciação de resultados de jogos da I Liga de futebol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...