"Sou mais homem que vocês, cobardes", diz Marco Gonçalves a dirigentes do clube

Jogador voltou a pedir desculpa ao árbitro e criticou os dirigentes do Canelas por "fazerem-se de santinhos"

Marco Gonçalves, o jogador do Canelas que, no domingo, agrediu o árbitro José Rodrigues aos 2 minutos do encontro com o Rio Tinto, da Divisão de Elite da Associação de Futebol do Porto, voltou a pedir desculpa e criticou os dirigentes do clube gaiense.

Nas redes sociais, o futebolista voltou a mostrar-se arrependido pelos atos do passado fim de semana que levaram o árbitro ao hospital com o nariz fraturado, mas criticou também a postura dos dirigentes do Canelas, nomeadamente o presidente, Bruno Canastro, a quem acusa de não o ter informado da intenção de o afastar do clube.

"Só para acabar com esta cena que infelizmente aconteceu: arrependo-me de tudo. Peço desculpa, principalmente ao árbitro e à família. Mas afirmo aqui que estes dirigentes do Canelas não podem falar assim tão mal de mim, porque nunca me disseram na cara que me dispensaram, assim como nunca disseram que tive culpa em tudo o que se passou. Sou culpado, sim. E assumo. Agora, fazerem-se de santinhos e mandarem para mim tudo o que se passou... isso não admito. Sou culpado pelas minhas atitudes, mas não me venham tapar os olhos. Assumo o que fiz, sou mais homem que vocês, cobardes", escreveu no Marco Gonçalves na sua página no Facebook.

Na segunda-feira, o jogador foi constituído arguido pelo Ministério Público (MP), com termo de identidade e residência, na sequência da agressão ao árbitro do jogo Rio Tinto-Canelas, no domingo. Mais tarde visto a medida de coação agravada com a proibição de entrar em recintos desportivos e contactar com árbitros.

O jogador vai ainda responder pelo crime de ofensa à integridade física qualificada, segundo informações prestadas pelo advogado Nélson Sousa à saída do tribunal.

O advogado esclareceu também que, durante a tarde, Marco Gonçalves não prestou qualquer tipo de declarações, considerando que "esta não era a altura para isso".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".