Só 10% do orçamento dos turcos. Mas sobra confiança

Minhotos defrontam o Fenerbahçe, em Istambul. Presidente e treinador lembram poderio financeiro do clube de Vítor Pereira, mas querem deixar eliminatória em aberto

Quinze jogos consecutivos sem perder - a última derrota foi a 10 de janeiro, em Alvalade, com o Sporting. É com este registo, e moralizado com a vitória (3-1) sobre o FC Porto no domingo, que o Sporting de Braga defronta hoje (18.00, na SIC) o Fenerbahçe, em Istambul, na primeira mão dos oitavos-de-final da Liga Europa.

A missão não é fácil. Tal como lembrou ontem à partida para Istambul o presidente António Salvador, o clube turco treinado por Vítor Pereira, que é líder no seu país e onde alinham os internacionais portugueses Nani, Bruno Alves e Raul Meireles, "gastou nesta época 40 milhões de euros em contratações, contra os quatro milhões do Braga, ou seja, 10%". "Mas mais uma vez vamos para disputar este jogo e a eliminatória que, como sabem, não acaba aqui", garantiu confiante o líder dos minhotos.

O treinador Paulo Fonseca admitiu que este será o jogo "mais difícil" da sua equipa até ao momento na Liga Europa e também lembrou a diferença dos orçamentos dos dois clubes. "É uma equipa com enorme poder, que foi buscar este ano dois jogadores ao Manchester United [Van Persie e Nani]. Tem um orçamento não sei quantas vezes superior ao Sp. Braga. Mas a nossa vontade tem de ser superior à dos jogadores do Fenerbahçe", atirou o técnico dos minhotos, confiante num bom jogo dos bracarenses: "Acredito muito na minha equipa e que podemos fazer aqui um bom jogo. Vamos defrontar o adversário mais difícil até à data, mas isso não nos inibe. O mais importante é não sofrer golos e levar a eliminatória para Braga."

Leia mais na edição impressa e no epaper do DN.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.