Sion excluído das competições europeias por dois anos

O clube suíço vai ser excluído das competições europeias nas próximas duas épocas, por "não respeitar os critérios de licenciamento dos clubes", devido à falta de pagamento de uma transferência ao Sochaux, anunciou a UEFA.

A sete jornadas do fim, o Sion ocupa o nono e penúltimo lugar do campeonato helvético, com os mesmos 31 pontos do lanterna-vermelha Lausanne Sport, e "vai ficar excluído da próxima competição de clubes da UEFA para a qual se qualificar, nas épocas 2018/19 e 2019/20", explicou a UEFA.

O presidente do Sion, Christian Constantin, foi ainda multado em 235 mil euros.

Esta temporada, o Sion, que conta no plantel com o português Carlitos, foi eliminado na terceira pré-eliminatória da Liga Europa pelos lituanos do Suduva.

O comité de controlo financeiro de clubes da UEFA, que é presidido pelo português Cunha Rodrigues, decidiu ainda impedir os cazaques do Irtysh de participarem nas próximas três temporadas em competições europeias, suspendendo ainda o pagamento de 440 mil euros da participação na Liga Europa de 2017/18.

Os albaneses do Tirana e os sérvios do Vojvodina também viram retidos os seus prémios, ambos no valor de 215 mil euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.