Arábia Saudita bate Egito num duelo de eliminados

Seleção saudita deu a volta a golo inaugural de Salah e voltou a ganhar num Mundial, 24 anos depois

Chegou mesmo sobre o final o prémio merecido para a Arábia Saudita, que completou uma reviravolta e venceu o Egito por 2-1, despedindo-se de forma honrosa do Mundial da Rússia, interrompendo um jejum de 12 jogos e 24 anos sem vitórias em campeonatos do mundo.

Num jogo entre duas seleções a jogar apenas pela honra, uma vez que estavam ambas eliminadas, o guarda-redes egípcio Essam El-Hadary estreou-se em Mundiais e tornou-se o jogador mais velho de sempre a jogar em Campeonatos do Mundo, aos 45 anos, superando o registo do guardião colombiano Fredy Mondragón (43).

El-Hadary foi mesmo uma das poucas boas notas da seleção do Egito. A outra foi a grande estrela do ataque, Mohamed Salah, que adiantou a seleção africana com um belo chapéu, aos 22 minutos. Depois, o veteraníssimo El-Hadary ainda assinalou a sua histórica estreia com a defesa a um penálti de Al-Muwallad, aos 41 minutos, mas ainda antes do intervalo outro penálti haveria de permitir aos sauditas chegarem à igualdade: marcou Al-Faraj, desta vez.

Na segunda parte, a seleção da Arábia Saudita intensificou o domínio, monopolizou a bola e arriscou chegar à vitória, perante um Egito do ultraconservador técnico Hector Cúper, que nunca mostrou ter outro plano "ofensivo" que não os contra-golpes em busca da capacidade decisória de Salah.

Por isso, o golo de Salem aos 90+4', após mais uma jogada elaborada quase até à exaustão pela Arábia Saudita, acabou por ser um prémio justo para a seleção orientada pelo argentino Pizzi.

A Arábia Saudita voltou a ganhar um jogo num Mundial, 24 anos depois de ter conseguido chegar aos oitavos-de-final na sua estreia, nos EUA'94. O Egito sai da Rússia a zero e continua sem saber o que é ganhar num campeonato do mundo, acumulando cinco derrotas e dois empates em três participações.

Jogos e resultados do dia:

Uruguai - Rússia (3-0, terminado)

Arábia Saudita - Egito (2-1, terminado)

Espanha - Marrocos (19.00)

Irão - Portugal (19.00)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.