Arábia Saudita bate Egito num duelo de eliminados

Seleção saudita deu a volta a golo inaugural de Salah e voltou a ganhar num Mundial, 24 anos depois

Chegou mesmo sobre o final o prémio merecido para a Arábia Saudita, que completou uma reviravolta e venceu o Egito por 2-1, despedindo-se de forma honrosa do Mundial da Rússia, interrompendo um jejum de 12 jogos e 24 anos sem vitórias em campeonatos do mundo.

Num jogo entre duas seleções a jogar apenas pela honra, uma vez que estavam ambas eliminadas, o guarda-redes egípcio Essam El-Hadary estreou-se em Mundiais e tornou-se o jogador mais velho de sempre a jogar em Campeonatos do Mundo, aos 45 anos, superando o registo do guardião colombiano Fredy Mondragón (43).

El-Hadary foi mesmo uma das poucas boas notas da seleção do Egito. A outra foi a grande estrela do ataque, Mohamed Salah, que adiantou a seleção africana com um belo chapéu, aos 22 minutos. Depois, o veteraníssimo El-Hadary ainda assinalou a sua histórica estreia com a defesa a um penálti de Al-Muwallad, aos 41 minutos, mas ainda antes do intervalo outro penálti haveria de permitir aos sauditas chegarem à igualdade: marcou Al-Faraj, desta vez.

Na segunda parte, a seleção da Arábia Saudita intensificou o domínio, monopolizou a bola e arriscou chegar à vitória, perante um Egito do ultraconservador técnico Hector Cúper, que nunca mostrou ter outro plano "ofensivo" que não os contra-golpes em busca da capacidade decisória de Salah.

Por isso, o golo de Salem aos 90+4', após mais uma jogada elaborada quase até à exaustão pela Arábia Saudita, acabou por ser um prémio justo para a seleção orientada pelo argentino Pizzi.

A Arábia Saudita voltou a ganhar um jogo num Mundial, 24 anos depois de ter conseguido chegar aos oitavos-de-final na sua estreia, nos EUA'94. O Egito sai da Rússia a zero e continua sem saber o que é ganhar num campeonato do mundo, acumulando cinco derrotas e dois empates em três participações.

Jogos e resultados do dia:

Uruguai - Rússia (3-0, terminado)

Arábia Saudita - Egito (2-1, terminado)

Espanha - Marrocos (19.00)

Irão - Portugal (19.00)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...