Japão bate Colômbia reduzida a dez desde os 3 minutos (1-2)

Kagawa e Osako marcaram para os nipónicos, Quintero para os sul-americanos. Colombianos a jogar com dez desde os 3 minutos

O Japão venceu esta terça-feira a Colômbia por 2-1, em Saransk, naquele que é o primeiro jogo do Grupo H, que também inclui Polónia e Colômbia.

Com James Rodriguez no banco devido a fadiga muscular, os colombianos cedo foram confrontados com desvantagem numérica e no marcador, devido à expulsão de Carlos Sánchez por mão na bola na área cafetera e consequente grande penalidade convertida por Kagawa, aos 6 minutos.

Contudo, a seleção colombiana não deixou de correr atrás de um melhor resultado, e chegou mesmo à igualdade por intermédio de Juan Quintero, precisamente o substituto de James no onze. O jogador ainda vinculado ao FC Porto optou por fazer passar a bola por baixo da barreira, e fê-la entrar na baliza (39'), igualando o encontro num lance que necessitou da validação da Tecnologia da Linha de Baliza.

Na segunda parte, já com James em campo, a Colômbia acusou o desgaste provocado por estar a jogar apenas com dez unidades. Aproveitou o Japão para criar mais oportunidades e chegar ao segundo golo, por Osako (73'), de cabeça, na resposta a um canto de Honda pelo lado esquerdo.

Acompanhe o resultado e as estatísticas dos jogos desta segunda-feira clicando no gráfico que se segue

Colômbia - Japão (1-2, resultado final)
Polónia - Senegal (16.00 horas)
Rússia - Egito (19.00 horas)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.