Conceição diz não "precisar dos parabéns" de Rui Vitória que apreciou "coerência"

O técnico do Benfica não deu os parabéns ao treinador dos dragões pela vitória do clube no Campeonato

Foi em entrevista ao Porto Canal que Sérgio Conceição, o treinador dos dragões, falou sobre o facto de não ter recebido os parabéns pela vitória no Campeonato do adversário Rui Vitória, treinador do Benfica.

De forma irónica, o líder dos azuis e brancos, aproveitou para lançar umas farpas ao treinador do Benfica a quem "elogiou" a coerência.

"Fiquei muito contente. É uma novidade que tenho que dar. Porque prefiro alguém que me dê os parabéns de forma natural e que venha do coração, do que alguém que me dê de forma hipócrita. O Jorge Jesus estava triste, mas ligou-me no dia a seguir a dar os parabéns. Surpreendeu-me a coerência dele [Rui Vitória] entre o discurso e o sentimento. A coerência surpreendeu-me. Noutras situações, se calhar, essa incoerência comandou os discursos do Rui Vitória. Não preciso dos parabéns de uma ou outra pessoa. Fui claro, não fui?", disse esta quarta-feira Sérgio Conceição em entrevista a Júlio Magalhães.

Dias antes, e após a vitória sobre o Moreirense, que garantiu o segundo lugar da LIGA ao Benfica, Rui Vitória explicou o porquê de não ter endereçado os parabéns ao campeão FC Porto.

"O campeonato está terminado, está ganho, este ano foi ganho pelo FC Porto. Ganhou, ponto final, está terminado. Com mérito ou sem mérito. Aquilo que sinto é que não posso ser hipócrita ao ponto de dar os parabéns a quem me tratou mal, me chamou tudo o que chamou, isso não faço. Numa época em que se disse tudo, quiseram transformar os parabéns do Rui Vitória no mais importante. Não me sinto bem a dar os parabéns a quem me tratou mal porque não sou hipócrita", disse na conferência de imprensa que se seguiu à jogo de passado domingo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.