Senegal e Colômbia: rivais, mas só até ao final do jogo

Os senegaleses queriam levar África mais longe neste Mundial. Ficaram pelo caminho, mas acabaram o jogo a festejar com os colombianos

Isto foi demasiada pressão para Mattar Senne, Masse Diagne e outros tantos senegaleses que sofreram pela sua seleção no Terreiro do Paço, em Lisboa. É que não foram só eles torcer pelo Senegal. "África inteira esteve com os olhos postos neste jogo", avisa Masse. Afinal, tratava-se da única oportunidade de uma equipa africana seguir em frente.

O assunto é sério, "decisivo", aliás, como diz Ronaldo Costa, guineense, que veio do Barreiro para apoiar a equipa do Senegal: "Era um sonho, um grande sonho, se chegássemos às finais." Mas ficaram por aqui, deixando os adeptos momentaneamente desanimados. "Foi por pouco - desabafa Mattar -, mas a festa vai continuar".

Não é todos os dias que o Mundial acontece e já que foi a Colômbia a passar, o remédio é fazer a festa com os adversários. Senegaleses e colombianos são adeptos que jogaram em campos opostos, mas têm algo em comum: adoram de tirar fotos, seja entre eles, seja com os rivais. "Estamos aqui não só pelo futebol, mas também para conhecer pessoas de outros cantos do mundo", diz Adriana Zea, adepta da Colômbia a viver na cidade de Bucaramanga.

Durante o jogo, Senegal e Colômbia foram ilhas separadas no relvado da Arena Portugal. Adeptos trajados de amarelo para um lado e adeptos verdes para o outro. Nos intervalos e no final da partida, as ilhas juntaram-se, dando por terminadas as rivalidades. E a festa acabou com os dois lados abraçados para a fotografia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.