Seleção já está na sua casa na Rússia. Hoje há treino aberto

Chegada tranquila a Kratovo ocorreu ao final da tarde de ontem e houve surpresas agradáveis para os jogadores

Ao trabalho! A seleção nacional realiza hoje o primeiro treino em solo russo, no centro de treinos do FC Saturn, em Kratovo, a partir das 11h30 locais, mais duas do que em Portugal Continental. Uma sessão que será aberta ao público e que marcará o início da preparação para o jogo de estreia no Campeonato do Mundo, diante da Espanha, na próxima sexta-feira.

A comitiva nacional partiu de Lisboa manhã bem cedo, em ambiente de tranquilidade, pois estavam poucos adeptos nas imediações da entrada VIP do aeroporto, que receberam o grupo com fortes aplausos. Destaque para o abraço dado por Cristiano Ronaldo a uma criança equipada com as cores da seleção nacional, com o número 7 nas costas. O pequeno furou o esquema de segurança e conseguiu chegar perto do craque, que não se fez rogado e respondeu com um abraço.

O avião descolou de Lisboa às 11h10 e a chegada a Moscovo ocorreu às 18h10 locais (16h10 em Portugal Continental), numa viagem que durou cinco horas exatas.

Fernando Santos prestou curtas declarações, ainda no aeroporto Zhukowski."É um privilégio estar aqui neste país que tão bem nos acolheu na Taça das Confederações, há um ano. Foi uma experiência muito positiva para Portugal e, agora, vamos tentar dar o nosso melhor. A organização foi boa e acho que no Mundial também haverá uma excelente organização e nós vamos procurar dar o nosso melhor", referiu.

O selecionador nacional foi questionado sobre a eventual emoção sentida pelos jogadores à chegada a Moscovo, frisando que "o grupo é muito experiente e não há esse tipo de emoções, embora todos estejam obviamente muito entusiasmados por começar".

Bruno Alves foi o outro elemento da comitiva que acedeu prestar declarações aos jornalistas. "Estamos bem, temo-nos preparado bem. É bom estar de volta depois da Taça das Confederações e estamos felizes por disputar este Campeonato do Mundo. Agora, é trabalhar bem esta semana", referiu, acrescentando: "Vamos dar tudo, trabalhar da melhor maneira e tentar ganhar todos os jogos".

Depois, seguiu-se um curto trajeto de 15 minutos de autocarro do aeroporto até ao centro de treinos do Saturn e à chegada, os portugueses tiveram uma receção de boas vindas e a oportunidade de experimentar uma iguaria local.

Quando entraram nos quartos, os futebolistas tiveram uma surpresa: um quadro com duas imagens, uma de quando eram mais novos e outra mais recente, em que aparecem ao serviço de seleção A. Vários futebolistas partilharam as imagens nas redes sociais.

Segurança a toda a prova

O centro de treinos do FC Saturn fica em Kratovo, pequena cidade com oito mil habitantes localizada 50 quilómetros a sudeste de Moscovo e a apenas 11 quilómetros do do Aeroporto Zhukovsky. E o mínimo que se pode dizer é que a seleção nacional está muito bem guardada, por dezenas de polícias e elementos do exército.

Quem quiser entrar no complexo terá de ter em sua posse uma autorização especial da Federação Portuguesa de Futebol e mesmo assim não escapará a uma revista minuciosa, que incluirá detetor de metais. E para prevenir atos terroristas, foi montada uma estrutura de ferro no chão que fura pneus e imobiliza todo o tipo de viaturas que tentem entrar sem permissão.

O centro de estágios do FC Saturn recebeu obras de melhoramento nos últimos meses e dispõe de três campos de treino, ginásios, piscinas e spa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.