Secretário de Estado diz que é essencial identificar membros das claques

O secretário de Estado da Juventude e do Desporto assegurou hoje que o Governo está atento ao comportamento das claques organizadas dos clubes profissionais de futebol.

À margem da sessão de abertura da reunião Grupo de Copenhaga, em Lisboa, onde vai ser debatida a questão da manipulação dos resultados desportivos, João Paulo Rebelo comentou o comportamento das claques no último clássico da I Liga, entre Benfica e FC Porto, no domingo.

"Sempre lamentámos as cenas de violência no desporto e já apresentámos na Assembleia da República uma proposta de alteração da lei 39/2009, a qual é completamente ineficaz a combater este flagelo", sublinhou João Paulo Rebelo.

O governante reiterou a intenção uma atuação mais concreta e vigorosa das autoridades.

"Para isso é essencial uma identificação mais concreta e pormenorizada dos adeptos. Sem isso nunca conseguiremos erradicar a violência nos recintos desportivos", acrescentou João Paulo Rebelo.

Mesmo assim, o secretário de Estado relativizou esta questão, atendendo a que "só uma pequena parte dos cerca de 30 clubes profissionais que integram as I e II Ligas é que têm problemas de violência", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.