Secretário de Estado diz que é essencial identificar membros das claques

O secretário de Estado da Juventude e do Desporto assegurou hoje que o Governo está atento ao comportamento das claques organizadas dos clubes profissionais de futebol.

À margem da sessão de abertura da reunião Grupo de Copenhaga, em Lisboa, onde vai ser debatida a questão da manipulação dos resultados desportivos, João Paulo Rebelo comentou o comportamento das claques no último clássico da I Liga, entre Benfica e FC Porto, no domingo.

"Sempre lamentámos as cenas de violência no desporto e já apresentámos na Assembleia da República uma proposta de alteração da lei 39/2009, a qual é completamente ineficaz a combater este flagelo", sublinhou João Paulo Rebelo.

O governante reiterou a intenção uma atuação mais concreta e vigorosa das autoridades.

"Para isso é essencial uma identificação mais concreta e pormenorizada dos adeptos. Sem isso nunca conseguiremos erradicar a violência nos recintos desportivos", acrescentou João Paulo Rebelo.

Mesmo assim, o secretário de Estado relativizou esta questão, atendendo a que "só uma pequena parte dos cerca de 30 clubes profissionais que integram as I e II Ligas é que têm problemas de violência", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.