Jornal uruguaio: se a Guerra das Estrelas fosse um jogo, Ronaldo era Darth Vader

Artigo no jornal Ovación divide-se entre elogios e críticas a Cristiano Ronaldo. E quer evitar que capitão de Portugal mostre os abdominais

Se a Guerra das Estrela fosse um jogo de futebol, Cristiano Ronald seria o Darth Vader. Com esta frase o jornal uruguaio Ovación lançou nesta sexta-feira o mote para o jogo desta tarde (19.00) entre Portugal e o Uruguai para os oitavos-de-final do Mundial 2018: os adeptos têm ódio ou admiração pelo capitão da seleção portuguesa?

Ao longo do texto os autores dividem-se na opinião. Segundo Bruno Scelza e Mathías da SIlva, Ronaldo tem "uma imensa presença para a qual é impossível evitar olhar, que nos provoca receio e desejamos-lhe mal. Mas ao mesmo tempo queremos que fique um pouco mais no filme".

Dizem ainda que na Madeira durante este sábado vão prepara-se os churrascos e outros petiscos enquanto a cerveja refresca à espera de poderem ver o "seu Deus". A mesma pessoa que dizem representar tudo o que um uruguaio detesta num ser humano: narcisista e arrogante.

E Ronaldo também não ajuda a melhorar a imagem. "As pessoas invejam-me porque sou bonito, rico e um ótimo jogador", disse em 2011, após de o Real Madrid ter ganho ao Dínamo de Zagreb para a Liga dos Campeões, recordam. Acrescentando que o internacional português é "arrogante, vaidoso, narcisista" e que escapou a algumas sanções disciplinares por atitude antidesportiva "apenas por ser quem é. E nós uruguaios odiamos tudo o que ele representa".

"É um atleta de elite, um talento que poucos viram na história do futebol, um exemplo de superação e esforço para atingir as metas que um ser humano anseia durante anos. E também o odiamos por isso. Odiamo-lo tanto como o admiramos", acrescentam.

Mas, para que não se diga que o artigo é só a criticar o capitão de Portugal, a dupla que assina o texto termina a dizer: "Porque o que mais nos enfurece em tudo isto é que Cristiano Ronaldo está certo. Ele é o melhor atleta que o futebol já viu na história e sempre que achamos que a carreira dele está a terminar, ele fica melhor. É mentira que o 'verdadeiro Ronaldo' seja o brasileiro. Este Ronaldo, esta máquina de pulverização de recordes, chegou da Madeira para tomar conta do nosso ódio com uma mão e atirá-lo ao chão com cara de 'que me importa?'".

"Por isso odiamo-lo. Por isso amamo-lo. Por isso sabemos que é um verdadeiro perigo e não podemos tolerar a ideia de que nos elimine e que vá mostrar a todo o mundo os seus abdominais. Por isso há que ganhar-lhe", concluem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.