Santa Clara novamente tomba gigantes

Açorianos (II Liga) eliminaram Desp. Chaves no São Miguel. Caldas e Farense também foram protagonistas

O Santa Clara foi o grande protagonista da quinta eliminatória da Taça de Portugal, uma vez que foram a única equipa de um escalão inferior a eliminar um adversário de I Liga. Os açorianos, que ocupam o 3.º lugar da II Liga e tinham afastado o Belenenses (2-1) na ronda anterior, causaram sensação ao receber e vencer o Desp. Chaves por 2-0. Fernando, aos 19 minutos, e Vítor Alves, aos 25, marcaram os golos que colocaram as bancadas do Estádio de São Miguel em delírio. "O Santa Clara pode competir com qualquer equipa da I Liga, tirando os três grandes que são muito fortes e nos criam grandes dificuldades", admitiu o treinador Carlos Pinto.

Ponta Delgada não foi, porém, a única localidade em que houve taça. Caldas da Rainha e Faro também foram palco de festas improváveis. O Caldas, 8.º classificado da Série D do Campeonato de Portugal, surpreendeu o Arouca (II Liga), alcançando o apuramento para os oitavos de final nas grandes penalidades (3-1), depois de Tarzan ter inaugurado o marcador (29") para a equipa do distrito de Leiria e de Barnes Osei ter restabelecido a igualdade (75").

Já o Farense, líder da Série E do Campeonato de Portugal e carrasco do Estoril na ronda anterior, somou a nona vitória consecutiva em todas as competições ao bater o Leixões (II Liga) por 2-1 na capital do Algarve. Jaime até colocou a formação de Matosinhos em vantagem (28"), mas Leo Tomé (37") e Irobiso (57") deram a volta ao texto.

O Campeonato de Portugal também marcará presença nos oitavos por Vilaverderense e Praiense, fazendo-se representar pelo mesmo número de equipas que a II Liga - além do Santa Clara, terá Académica, U. Madeira e Cova da Piedade na próxima ronda.

Se metade dos competidores serão de escalões inferiores, a outra metade é de primodivisionários. O Marítimo necessitou de prolongamento para vencer no terreno da AD Oliveirense (3-2). A continuidade dos madeirenses na Taça de Portugal esteve seriamente ameaçada quando Silva fez o 2-1 para a equipa do Campeonato de Portugal, mas quem brilhou mais alto foi Rodrigo Pinho, avançado dos insulares que resolveu a eliminatória com um hat trick. Menos dificuldades sentiram Moreirense e Desp. Aves, que bateram tranquilamente Felgueiras 1932 e União de Leiria, respetivamente.

V. Guimarães vence duelo de elite

No único jogo de domingo entre equipas da I Liga, o finalista vencido da temporada transata, o V. Guimarães mostrou estar refeito das derrotas caseiras diante de Benfica (campeonato) e Oliveirense (Taça da Liga), recebendo e vencendo o Feirense por 2-1. Héldon inaugurou o marcador logo aos 4 minutos, a aparecer ao segundo poste para desviar um passe de Raphinha, precisamente o autor do segundo golo (58"), através de um autêntico míssil de fora da área, aos 58". Os fogaceiros ficaram reduzidos a dez, devido à expulsão de Jean Sony (48"), mas ainda reduziram por João Silva (78").

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.