Sam Allardyce deixa Everton. Marco Silva apontado à sucessão

O treinador inglês deixou o comando técnico do Everton, anunciou esta quarta-feira o clube, ao fim de sete dos 18 meses do contrato com o emblema de Liverpool.

Os toffees anunciaram hoje a saída, três dias após o fim da Liga inglesa, na qual Allardyce guiou o clube ao oitavo lugar da tabela, depois de herdar a equipa em 13.º lugar quando assumiu o cargo, em novembro, em substituição do holandês Ronald Koeman.

"O Sam chegou ao clube num momento desafiante na temporada, para nos trazer estabilidade, e estamos muito gratos por ele ter feito precisamente isso", explicou a diretora executiva do Everton, Denise Barrett-Baxendale.

Apesar dos bons resultados, o estilo de futebol de Allardyce nunca foi apreciado pelos adeptos, que chegaram a assobiar a equipa, e o clube decidiu que, "como parte do plano de longo prazo, será nomeado um novo treinador este verão para começar o processo" de reconstrução.

Big Sam, como é conhecido Sam Allardyce, tinha orientado em 2016/17 o Crystal Palace, que assumiu em dezembro e conseguiu manter na Premier League, depois de um período conturbado à frente da seleção inglesa, que deixou após 67 dias, sob suspeitas de má conduta.

Marco Silva, que em Inglaterra já orientou Hull City e Watford, é o principal candidato à sucessão, ainda que o também português Paulo Fonseca seja um dos candidatos, embora o ainda treinador do Shakhtar Donetsk esteja nas cogitações do West Ham.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.