Salah, a estrela egípcia do Liverpool, confessa admiração por Brahimi

Avançado diz que goleada da primeira mão (5-0) não reflete diferença entre as duas equipas e elogia a pele africana do dragão

Em Anfield Road, Mohamed Salah é o homem de quem (mais) se fala. Aliás, não só no Liverpool como também no campeonato inglês, onde é o melhor marcador, lado a lado com Harry Kane, do Tottenham. O egípcio foi um dos que fizeram o gosto ao pé nos 5-0 do Dragão, na primeira mão destes oitavos-de-final, mas a goleada fora de portas não o faz menosprezar o valor de um FC Porto que considera ser "capaz de criar dificuldades" nesta noite. Em declarações ao DN, Salah revela mesmo admiração pelo toque africano do dragão nesta época - de Aboubakar a Marega (ausente hoje por lesão), com uma menção especial para o argelino Brahimi.

"É muito importante para mim representar não só o meu país, mas também um continente como África. Estou orgulhoso disso. Tenho certeza de que os africanos do FC Porto também. Eles são três grandes jogadores, Marega e Aboubakar marcam muitos golos e Brahimi é um talento. Conheço-o há muito tempo e é um dos jogadores mais perigosos. Temos de parar todos os jogadores do FC Porto, mas Brahimi é especial", disse Salah através da assessoria de imprensa do Liverpool, destacando também, segundo o próprio, um outro "símbolo" do futebol mundial.

"Iker Casillas é um dos melhores guarda-redes de sempre. Será um privilégio voltar a jogar contra ele, um dos maiores símbolos deste desporto nos últimos anos. Marcar-lhe um golo? Se tiver a oportunidade vou tentar fazê-lo, claro, mas o mais importante é que o Liverpool vença, seja com um golo meu ou de outro companheiro", referiu Salah, cuja utilização ainda não é certa, embora Klopp já tenha anunciado que não vai alterar muita gente no onze, apesar dos 5-0 da primeira mão, por respeitar o FC Porto e a competição.

O goleador egípcio salienta que o desnível no resultado do jogo no Dragão não traduz a diferença entre as equipas. "O jogo correu muito bem para nós, estudámos a equipa, aproveitámos da melhor maneira as oportunidades que tivemos, mas sabemos também que esta não é a diferença entre as equipas. O FC Porto é uma equipa muito boa e é isso também que o treinador nos diz todos os dias, mesmo após a vitória lá. Não imagino que não iremos seguir em frente, mas se não tivermos cuidado também nos poderão surpreender", confessou o africano, que rasga de elogios o treinador Jurgen Klöpp.

"Tem sido muito bom trabalhar com ele. Foi o primeiro treinador a colocar-me a jogar mais perto da baliza e do ataque. Aliás, disse-me desde o início que tinha de estar sempre mais perto do ataque e isso funcionou. Identifico-me com o seu estilo de jogo, ofensivo, e talvez seja por isso que as coisas estão a correr muito bem na presente temporada", salientou o futebolista de 25 anos.

Salah tem formado um poderoso tridente ofensivo ao lado do brasileiro Firmino e do senegalês Sadio Mané, isto após a saída do também brasileiro Philippe Coutinho, que rumou ao Barcelona em janeiro passado. Mesmo com a eliminatória bastante favorável aos reds, a imprensa inglesa diz que o treinador alemão poderá manter o tridente nesta segunda mão, mas, ainda que Klöpp não o faça, Salah diz que haverá outros futebolistas capazes de os substituir na frente de ataque.

"É muito fácil jogar com grandes jogadores e atualmente Firmino e Mané são dos melhores do mundo nas suas posições. As coisas têm resultado entre nós, mas o Liverpool tem outros grandes jogadores que também podem fazer a diferença contra o FC Porto", concluiu o futebolista africano, que foi fundamental para que o Egito possa voltar a marcar presença num Mundial, na Rússia, nos próximos meses de junho e julho.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.