Rui Jorge confia na vitória dos sub-21 sobre País de Gales

O selecionador português de futebol sub-21 disse esta segunda-feira que se a equipa estiver ao seu "melhor nível, terá todas as hipóteses" de vencer os galeses

"Esperamos alguma dificuldade, mas se estivermos ao nosso melhor nível, quer em termos exibicionais, quer em termos de resultado, teremos todas as hipóteses de vencer", afirmou na antevisão ao jogo Portugal-País de Gales, do grupo 8 de qualificação para o Europeu de sub-21, que se realiza na terça-feira, em Chaves.

Rui Jorge disse que a sua equipa ainda só viu um jogo do País de Gales, frente à Suíça, por isso, a informação não é muita, sendo apenas relativa a esse mesmo encontro.

"Mas, acredito que apresentarão um 4x4x2 clássico, destacando um jogador acima da média, o seu número dez, mas acredito que começaremos da melhor forma", frisou.

Quanto a Portugal, Rui Jorge referiu que é um grupo "muito bom" em termos de qualidade, empenho e motivação e, portanto, na terça-feira os jogadores só têm de demonstrar isso em campo como o tem vindo a fazer nos treinos.

Questionado sobre se o objetivo é a qualificação, Rui Jorge foi perentório em dizer que sim, mas sublinhou que mais do que pensar nisso é importante pensar nos jogos, prepara-los e saber quais os pontos fortes dos adversários, tentando assim impor o seu jogo.

Já sobre as ausências de Jota, por castigo, e Yuri Ribeiro, por lesão, o selecionador salientou que, em circunstâncias normais, estariam convocados, mas neste espaço a ausência de uns provoca a vinda de outros e a possibilidades desses outros demonstrarem a sua qualidade.

Sobre Renato Sanches, que já representou a seleção principal, Rui Jorge considerou que um jogador profissional e de alto nível deve viver com o "reverso da medalha".

"Quem está na seleção principal e depois volta para os sub-21 sabe que isso aconteceu por algum motivo e porque tem lá alguém com melhor capacidade no momento, mas deve continuar a demonstrar que tem o seu espaço lá em cima", sustentou.

Relativamente à quase ausência de pontas de lança, Rui Jorge realçou que existem dentro da equipa jogadores que podem desempenhar essa função, não são números nove típicos, mas estão habituados a essa posição.

O treinador português recordou que o patamar dos sub-21 é "por excelência" o patamar antes da seleção principal, por isso, eles têm de mostrar aqui a sua qualidade, porque senão será mais difícil atingi-la.

Em jeito de finalização, Rui Jorge disse esperar uma excelente casa com um ambiente "muito bom", referindo terem vindo de longe, mas esperançados em sentir-se em casa.

O primeiro desafio de Portugal no grupo 8 de apuramento para o Campeonato da Europa de sub-21 de 2019, em Itália, será disputado frente ao País de Gales, na terça-feira, às 19.15, no Estádio Municipal Eng.º Manuel Branco Teixeira, em Chaves.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.