Rui Bragança revalida título europeu de taekwondo

Português sagra-se bicampeão europeu, ao derrotar israelita na final

O português Rui Bragança revalidou esta quinta-feira o título europeu de taekwondo, na categoria -58 kg, nos Campeonatos da Europa que se disputam em Montreux, na Suíça.

O português, que representará Portugal nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, derrotou na final o israelita Ron Atias, com ponto de ouro.

Rumo à final, Rui Bragança venceu o ucraniano Bogdan Bodnar (4-2), o bielorrusso Yahor Nikitsenka (15-5) e o russo Ruslan Poiseev (3-2).

"É muito bom [ser bicampeão], não só pelo título, mas porque foi um ótimo teste antes do Rio. As expectativas para os Jogos são as mesmas, lá só vão estar os 16 melhores do mundo, qualquer combate podia ser a final, por isso é um combate de cada vez e o resultado logo vemos", disse à agência Lusa.

Além de bicampeão europeu, o atleta do Vitória de Guimarães também é o atual campeão da Europa de Taekwondo de Categorias Olímpicas, na mesma categoria, um título conquistado em 2015, em Nalchik, na Rússia.

Rui Bragança, que conquistou a medalha de ouro na primeira edição dos Jogos Europeus, disputados em Baku, Azerbaijão, confirmou o apuramento para o Rio2016 no final do ano passado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.