Rui Águas aponta Benfica-FC Porto como "jogo de tudo ou nada"

A cinco jornadas do fim da I Liga e com um ponto a separar Benfica e FC Porto no topo da classificação, o ex-jogador Rui Águas considera o clássico deste domingo um "jogo de tudo ou nada".

Em entrevista à Lusa, o avançado, que vestiu as camisolas dos dois clubes - sete épocas no Benfica e duas no FC Porto -, aponta um "favoritismo ligeiro" para os encarnados, devido à quebra portista que permitiu ao campeão nacional ascender à liderança antes da 30.ª jornada, mas não hesita em realçar o equilíbrio das forças em confronto.

"O FC Porto é uma equipa que esteve muito tempo na frente e escolheu a pior altura para passar a ser segundo. Agora joga tudo, mas é uma equipa forte e que durante grande parte do campeonato foi a mais forte e só fraquejou muito recentemente", explica, lembrando também a lesão de "elementos importantes" na equipa e a descida de forma do extremo Brahimi.

Perante a incerteza dos regressos de Jonas, pelo Benfica, e Marega, no FC Porto, à titularidade no jogo do Estádio da Luz, Rui Águas assinala as grandes diferenças entre os dois avançados, mas que têm em comum a influência nas equipas e a maior quota-parte na produção de golos.

"São jogadores completamente diferentes. A ausência de Marega coincidiu com os maus resultados, pelo que daí podemos considerá-lo muito importante. Tem dividido a sua ação entre o centro e a direita e tem resultado, sendo também fisicamente muito forte e muito rápido. Não tem a subtileza ou a capacidade de definição de Jonas, mas vamos ver se estão os dois aptos", afirmou.

O antigo internacional português, filho da glória encarnada José Águas, mostra-se expectante sobre a estratégia a adotar pelos dragões, já que não antecipa surpresas do lado da formação comandada pelo treinador Rui Vitória, a quem adivinha apenas "concentração absoluta" como o caminho mais curto para o triunfo.

"O FC Porto tem alternado entre um e dois homens na frente. O Benfica manterá o esquema de 4-3-3, mas no FC Porto tenho algumas dúvidas se mantém os dois homens na frente ou se joga com Marega na ala. Se Marega não estiver, Otávio pode aparecer no ataque, pois não me parece que vá jogar com dois homens fixos na frente", assinalou.

Por fim, Rui Águas esvazia o ambiente conturbado entre os dois emblemas rivais, numa época fortemente marcada pelas trocas de acusações, quase sempre com a arbitragem como arma de arremesso. O ex-jogador não tem ilusões de que a arbitragem vai estar em foco depois do apito final, mas acredita que não haverá hostilidade entre os jogadores no relvado.

"Nesta altura acho que já não. As pessoas estão cansadas e nem ligam muito a isso. Acho que é um discurso que as pessoas já ouviram tanto que não dão importância e com os jogadores é igual. Penso que não vai ser mais do que um jogo de grande importância, de grande nervosismo e de grande tensão", finalizou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.