Rosa Mota lembra "uma pessoa divertida, que adorava viver"

A antiga campeã olímpica diz que Moniz Pereira "vai manter-se vivo" na memória de todos.

A antiga campeã olímpica Rosa Mota lamentou hoje a morte de Moniz Pereira, que recorda como uma "pessoa divertida e que "adorava viver", enaltecendo a paixão do professor "pelo desporto".

"É uma grande perda, ficamos todos tristes quando perdemos um amigo. Esteja onde estiver, se conseguir ver os Jogos [Rio2016], vai estar connosco. O professor era um apaixonado pelo desporto, uma pessoa divertida, que adorava viver, mas a vida é assim, a morte faz parte da vida, temos de encará-la", disse a ex-atleta, vencedora da maratona dos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988.

Para Rosa Mota Moniz Pereira "vai manter-se vivo" na memória de todos.

A antiga atleta falava no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, antes da partida para o Rio de Janeiro, 'palco' dos Jogos Rio2016, já que integra a comitiva portuguesa.

Moniz Pereira morreu hoje aos 95 anos, depois de uma vida dedicada ao atletismo e ao Sporting, que representou como dirigente, treinador e atleta.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.