Rosa Mota já é 'Doutora Honoris Causa'

Maratonista tornou-se nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988, a primeira mulher portuguesa a arrecadar uma medalha de ouro

A maratonista Rosa Mota, campeã olímpica em atletismo em 1988 em Seul (Coreia do Sul), vai receber o título de Doutora Honoris Causa da Universidade do Porto pelo "notabilíssimo percurso de vida", anunciou esta sexta-feira aquela instituição de ensino superior.

"Proposta pela Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP) e com parecer favorável unânime pelo Senado da Universidade, a concessão do título de Doutora Honoris Causa é justificada pelo "notabilíssimo percurso de vida" de Rosa Mota", lê-se no comunicado da Universidade do Porto (UP) divulgado esta sexta-feira, acrescentando que em "breve" anunciará a data de entrega do título.

O reitor da UP, Sebastião Feyo de Azevedo, evoca na sua fundamentação para a distinção com o 'Honoris Causa' a Rosa Mota "o extraordinário papel de embaixadora de Portugal, e especialmente das gentes do Norte, no mundo", para além da sua "disponibilidade e apoio às iniciativas da FADEUP", designadamente como membro do Conselho de Representantes daquela faculdade desde 2014.

A maratonista do Porto é "detentora de uma extraordinária carreira desportiva, com um desempenho inigualável que a tornou uma lenda do desporto, se elevou, pela sua continuada conduta cívica exemplar, a símbolo regional, nacional e mundial", refere o comunicado.

No momento da assinatura do despacho reitoral, a atleta Rosa Mota declarou-se "profundamente agradecida à FADEUP e à Universidade do Porto pela confiança" que foi depositada nela com a atribuição do título de 'Doutora Honoris Causa'.

"Sinto-me honrada por ver reconhecido tudo o que fiz pelo nosso país e o que continuo ainda a fazer", disse.

Nascida no Porto, a 29 de junho de 1958, Rosa Mota sagrou-se campeã olímpica, mundial e europeia de maratona.

Foi a primeira mulher portuguesa a conquistar uma medalha de ouro olímpica, quando venceu a prova da maratona nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988. Quatro anos antes, nas Olimpíadas de Los Angeles, conquistou a medalha de bronze também de atletismo.

Considerada uma das melhores maratonistas de sempre e uma das maiores atletas da história do desporto português, Rosa Mota já recebeu outras homenagens e distinções nacionais e internacionais, designadamente a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique e a Grã-Cruz da Ordem do Mérito, mas este será o seu primeiro Doutoramento Honoris Causa.

O título de 'Doutor Honoris Causa' pela Universidade do Porto é atribuído a "personalidades eminentes, nacionais ou estrangeiras, que se tenham distinguido na atividade académica, profissional, cultural ou política ou que hajam contribuído, direta ou indiretamente, para o prestígio e engrandecimento de Portugal, em geral, e da Universidade do Porto, em particular", explica a instituição de Ensino Superior.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".