"Ronaldo fez tudo para merecer o prémio da FIFA, e isto não é o meu coração a falar"

László Bölöni chamou-o para trabalhar com a equipa sénior com apenas 16 anos e lançou-o aos 17, numa pré-eliminatória da Liga dos Campeões com o Inter Milão, em Alvalade. O treinador romeno não duvida que CR7 vai vencer amanhã o prémio The Best, da FIFA, e recorda ao DN os primeiros tempos como profissional do atual melhor futebolista do mundo.

Pensa que Cristiano Ronaldo é o grande favorito a vencer nesta segunda-feira o prémio The Best, da FIFA, que coroa o melhor jogador do mundo?

Sim, sem dúvida que o Cristiano Ronaldo merece ganhar mais este prémio da FIFA, por tudo o que fez ao longo do ano. Penso que não existem grandes dúvidas de que foi o melhor jogador do mundo. Além de grandes exibições, alcançou títulos importantes pelo Real Madrid.

Ronaldo, Messi, Messi, Ronaldo. É a eterna discussão sobre quem é o melhor do mundo. Tem sido justa a repartição de troféus entre os dois jogadores?

Há sempre a discussão sobre quem é melhor. Os apoiantes de Messi expõem argumentos em seu favor, os de Cristiano Ronaldo fazem o mesmo. No entanto, neste ano sem dúvida de que o Cristiano Ronaldo fez tudo para merecer o prémio da FIFA, e isto não é o meu coração a falar. Acho que neste caso, até o racional se sobrepõe ao coração, e mesmo que eu não gostasse mais do Cristiano Ronaldo diria que ele foi o melhor. No entanto, o que tem de ser destacado é que todos nós temos a sorte de assistir ao duelo entre estes dois grandes jogadores, que conseguem decidir jogos sozinhos. É um espetáculo!

Sente que contribuiu para o sucesso de Cristiano Ronaldo? Pelo menos teve o mérito de o chamar para treinar na equipa principal com apenas 16 anos e de o lançar com 17 anos...

Sinto-me orgulhoso por termos trabalhado juntos no Sporting. Na altura da minha passagem, o clube tinha muitas dívidas e não podia contratar grandes jogadores, mas felizmente havia jovens de muita qualidade e em boa hora apostámos neles. Claro que o Cristiano Ronaldo foi o melhor, mas houve outros, como Ricardo Quaresma, Hugo Viana, Custódio e Valdir. No caso do Cristiano Ronaldo, ainda bem que fui ver um jogo dos juniores em que ele participou. Chamei-o logo para treinar na equipa principal porque percebi que era diferente de todos e, claro, não me arrependi! A verdade é que o Ronaldo conseguiu tudo essencialmente graças ao seu talento. No entanto, claro que fico muito satisfeito por ver tudo o que ele alcançou ao longo da carreira, todos os títulos coletivos e individuais. Quando me dizem que contribuí um bocadinho para a sua história de sucesso já fico extremamente feliz.

Cristiano Ronaldo esteve durante alguns meses a trabalhar com a equipa principal do Sporting, mas sem estrear-se oficialmente. Por que razão?

Esperámos algum tempo para o lançar, a conselho do departamento médico. No entanto, foi muito importante para ele ter a oportunidade de ir trabalhando com jogadores muito experientes, como Pedro Barbosa, Beto, André Cruz, Paulo Bento e Rui Jorge. Aprendeu muito nesses treinos.

Fernando Seara continua a dever-lhe o dinheiro da aposta que fizeram por causa de Cristiano Ronaldo?

Sim, ainda estou à espera de que ele me pague um jantar! Ele era meu advogado e um grande benfiquista e ficou muito surpreendido quando me ouviu dizer a uma rádio que o Cristiano Ronaldo iria ser tão bom como o Eusébio e o Luís Figo. Garantiu-me que se isso acontecesse me pagaria um jantar. Atenção que quando eu fiz essa afirmação, o Ronaldo tinha apenas 17 anos! É verdade que se percebia que ele iria ser um grande jogador, mas nunca se poderia prever que seria eleito cinco vezes o melhor futebolista do mundo...

Cristiano Ronaldo completa 33 anos em fevereiro. Até quando pensa que ele poderá jogar?

No seu caso as coisas complicam-se, pois estamos a falar de um avançado, que precisa de usar muito a velocidade. No entanto, penso que poderá jogar durante mais três ou quatro anos. Depois tudo dependerá se ele quiser continuar sempre ao mais alto nível ou se não se importará de baixar um pouco de ritmo. Mas diria que conseguirá jogar durante mais três ou quatro anos ao mais alto nível, pois sempre teve muito cuidado com o seu físico.

Todos conhecemos Cristiano Ronaldo como jogador, mas como era o jovem que trabalhava consigo?

Era um jovem que estava de bem com a vida, sempre contente e que gostava de brincar com os colegas. Mas sabia sempre distinguir quando era possível brincar e quando era necessário trabalhar no duro. Nunca tive o mínimo problema com ele durante o tempo que trabalhámos juntos! Aliás, estabelecemos um programa físico que ele sempre seguiu à risca, sem a mínima queixa. Algumas pessoas dizem que ele é arrogante, mas não sabem do que falam. O Cristiano Ronaldo tem um coração enorme e isso vê-se na forma como quer sempre ajudar a família, os amigos, as pessoas que lhe são mais próximas. Já no meu tempo era assim, tinha uma relação muito próxima com a família e fico feliz que a tenha mantido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.