Ronaldo aceita dois anos de pena suspensa e pagar quase 19 milhões de euros ao fisco

Atleta português chegou a acordo com o fisco espanhol e reconhece quatro crimes fiscais

Cristiano Ronaldo chegou a acordo com o fisco espanhol, adianta o El Mundo. Para pôr fim ao processo judicial, o atleta do Real Madrid aceitou as condições impostas pela Autoridade Tributária espanhola: reconhece quatro crimes de crimes fiscais, e uma pensa de prisão suspensa de dois anos (seis meses por cada um dos crimes). A que acresce o pagamento de 18,8 milhões de euros.

O acordo permitiu que o fisco espanhol baixe consideravelmente o valor da fraude. Inicialmente apontava para os 14,7 milhões de euros e baixou para os 5,7 milhões. O capitão da seleção nacional vai acabar por pagar perto de 19 milhões por causa das multas e taxas.

O processo do fisco relacionado com supostas irregularidades com a tributação dos direitos de imagem de Ronaldo entre 2011 e 2014, já atingiu outros futebolistas em Espanha.

Em maio, o argentino Lionel Messi, do Barcelona, foi condenado ao pagamento de uma multa de 255 mil euros por fraude fiscal, que substituiu uma condenação de 21 meses de prisão.

Refira-se que, segundo a lei espanhola, uma pena de prisão por um delito não violento é, em regra, transformada em pena suspensa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...