Ronaldo aceita dois anos de pena suspensa e pagar quase 19 milhões de euros ao fisco

Atleta português chegou a acordo com o fisco espanhol e reconhece quatro crimes fiscais

Cristiano Ronaldo chegou a acordo com o fisco espanhol, adianta o El Mundo. Para pôr fim ao processo judicial, o atleta do Real Madrid aceitou as condições impostas pela Autoridade Tributária espanhola: reconhece quatro crimes de crimes fiscais, e uma pensa de prisão suspensa de dois anos (seis meses por cada um dos crimes). A que acresce o pagamento de 18,8 milhões de euros.

O acordo permitiu que o fisco espanhol baixe consideravelmente o valor da fraude. Inicialmente apontava para os 14,7 milhões de euros e baixou para os 5,7 milhões. O capitão da seleção nacional vai acabar por pagar perto de 19 milhões por causa das multas e taxas.

O processo do fisco relacionado com supostas irregularidades com a tributação dos direitos de imagem de Ronaldo entre 2011 e 2014, já atingiu outros futebolistas em Espanha.

Em maio, o argentino Lionel Messi, do Barcelona, foi condenado ao pagamento de uma multa de 255 mil euros por fraude fiscal, que substituiu uma condenação de 21 meses de prisão.

Refira-se que, segundo a lei espanhola, uma pena de prisão por um delito não violento é, em regra, transformada em pena suspensa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.