Serena e Sharapova estão mesmo de volta

Serena Williams e Maria Sharapova, ambas antigas líderes do 'ranking' mundial de ténis, estão mesmo de regresso à elite da modalidade, como ficou este sábado bem patente em Paris, no torneio de Roland Garros.

O percurso de uma delas vai terminar nos oitavos de final, fase em que a norte-americana e a russa se defrontam, depois de este sábado terem afastado, respetivamente, a alemã Julia Goerges e a checa Karolina Pliskova.

O segundo torneio do 'Grand Slam' da temporada está claramente a ser bem positivo para duas 'desaparecidas' da ribalta - Sharapova por uma suspensão por doping, Serena por paragem por maternidade.

Quem ganhar nos 'oitavos' reforça o estatuto de candidata, numa prova que já não tem a vencedora do ano passado (a letã Ostapenko) mas ainda alberga as três primeiras do 'ranking' - a romena Simone Halep, a dinamarquesa Caroline Wozniacki e a espanhola Garbine Muguruza.

Três vezes vencedora em Paris, Serena caiu para 451.ª da lista, depois de ter estado sem jogar ténis por mais de um ano, mas já é certo que vai dar um 'pulo' enorme depois desta campanha, em que a última 'vítima' foi a alemã Julia Goerges, 11.ª do mundo, superada por 6-3 e 6-4, em uma hora e 15 minutos.

Sharapova, também ela uma antiga 'top-1' que caiu para um 'ranking' fora do normal - é 30.ª -, ganhou à sexta pré-designada do torneio, Pliskova, por claros 6-2 e 6-1.

Nos 'oitavos', a história joga a favor de Serena, que em 21 jogos ganhou 19, dos quais os últimos 18 consecutivos.

Halep, finalista derrotada no ano passado, superou a alemã Andrea Petkovic (107.ª), com 7-5 e 6-0, enquanto que Muguruza, a campeã de 2016, ultrapassou a experiente australiana Samantha Stosur, 90.ª do mundo e vencedora em Roland Garros há 12 anos, por 6-0, 6-2.

Este sábado, o quadro masculino ainda foi mais previsível, confirmando sem qualquer surpresa Rafael Nadal e Marin Cilic, primeiro e terceiro do torneio.

O maiorquino, decacampeão e detentor do título, passou pelo francês Richard Gasquet,32.º do mundo, por 6-3, 6-2, 6-2. Nada que não se esperasse, já que se tinham defrontado 15 vezes e Nadal sempre venceu.

Este foi o 12.º encontro consecutivo sem perder qualquer 'set' em Roland Garros para Nadal, que já não cede qualquer partida desde a final de 2015 frente ao sérvio Novak Djokovic, sendo que em 2016 desistiu antes do início do encontro da terceira ronda.

Quanto ao croata Cilic, finalista de Wimbledon em 2017 e do Open da Austrália deste ano, ganhou ao norte-americano Steve Johnson (46.º), por 6-3, 6-2, 6-4.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.