Duelo entre Serena Williams e Maria Sharapova já não vai acontecer

Norte-americana desiste do torneio francês antes do aguardado encontro, é a primeira vez que desiste num Torneio Grand Slam

A tenista norte-americana Serena Williams, três vezes vencedora em Roland-Garros, desistiu hoje pela primeira vez durante um 'Grand Slam', antes de defrontar a russa Maria Sharapova, nos oitavos de final no torneio francês, devido a problemas musculares.

"Infelizmente tenho tido alguns problemas com o musculo peitoral direito, neste momento não consigo servir e torna-se muito difícil jogar com esta limitação física", afirmou a vencedora de 23 'majors', que esteve mais de um ano parada depois de ter sido mãe.

O abandono da 451.ª do 'ranking' WTA e antiga número um mundial, de 36 anos, do torneio de singulares ocorre um dia depois da eliminação na competição de pares, na qual, juntamente com a irmã Venus, foi derrotada pela espanhola María José Martínez e pela eslovena Andreja Klepac, terceiras cabeças de série.

"[No domingo, em pares] Pensei que era a oportunidade perfeita para avaliar como estava. É muito frustrante, porque desperdicei tanto tempo com a minha filha e a minha família por isto [...]. Nunca senti isto na minha vida, é muito doloroso. Já tive muitas lesões, mas esta nunca. E a cada jogo sentia que estava a melhorar, fisicamente estive bem. Só posso pensar que ainda vou melhorar", afirmou Serena, em conferência de imprensa.

Com o abandono da norte-americana, Sharapova, 30.ª do mundo, avança para os quartos de final pela nona vez, fase em que vai defrontar a vencedora do embate entre a espanhola Garbine Muguruza, terceira da hierarquia, e a ucraniana Lesia Tsurenko, 39.ª.

"É muito difícil porque adoro jogar com a Maria [Sharapova]. É um jogo que me motiva sempre e estou muito desapontada, mas, prometi a mim mesma que não jogaria se estivesse pelo menos a 50%", rematou Serena, campeã em Paris em 2002, 2013 e 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.