Duelo entre Serena Williams e Maria Sharapova já não vai acontecer

Norte-americana desiste do torneio francês antes do aguardado encontro, é a primeira vez que desiste num Torneio Grand Slam

A tenista norte-americana Serena Williams, três vezes vencedora em Roland-Garros, desistiu hoje pela primeira vez durante um 'Grand Slam', antes de defrontar a russa Maria Sharapova, nos oitavos de final no torneio francês, devido a problemas musculares.

"Infelizmente tenho tido alguns problemas com o musculo peitoral direito, neste momento não consigo servir e torna-se muito difícil jogar com esta limitação física", afirmou a vencedora de 23 'majors', que esteve mais de um ano parada depois de ter sido mãe.

O abandono da 451.ª do 'ranking' WTA e antiga número um mundial, de 36 anos, do torneio de singulares ocorre um dia depois da eliminação na competição de pares, na qual, juntamente com a irmã Venus, foi derrotada pela espanhola María José Martínez e pela eslovena Andreja Klepac, terceiras cabeças de série.

"[No domingo, em pares] Pensei que era a oportunidade perfeita para avaliar como estava. É muito frustrante, porque desperdicei tanto tempo com a minha filha e a minha família por isto [...]. Nunca senti isto na minha vida, é muito doloroso. Já tive muitas lesões, mas esta nunca. E a cada jogo sentia que estava a melhorar, fisicamente estive bem. Só posso pensar que ainda vou melhorar", afirmou Serena, em conferência de imprensa.

Com o abandono da norte-americana, Sharapova, 30.ª do mundo, avança para os quartos de final pela nona vez, fase em que vai defrontar a vencedora do embate entre a espanhola Garbine Muguruza, terceira da hierarquia, e a ucraniana Lesia Tsurenko, 39.ª.

"É muito difícil porque adoro jogar com a Maria [Sharapova]. É um jogo que me motiva sempre e estou muito desapontada, mas, prometi a mim mesma que não jogaria se estivesse pelo menos a 50%", rematou Serena, campeã em Paris em 2002, 2013 e 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?