Rodrigo faz alerta: "Portugal não é só Ronaldo"

Ex-Benfica abordou o jogo de estreia da Espanha, frente à seleção portuguesa, no dia 15.

Rodrigo lembrou esta segunda-feira, em conferência de imprensa, que Portugal não é apenas Cristiano Ronaldo e deixou uma mensagem para o colega de equipa: ""Desejo sorte a Gonçalo Guedes apenas depois da primeira partida."

"Cristiano Ronaldo é dos melhores na história do futebol, mas Portugal demonstrou no último Europeu que é mais do que um jogador. Apenas um jogador não faz nada. Portugal está muito unido e estamos a falar de um desporto coletivo. Eles são um rival a bater e será preciso estar concentrado para ganhar o jogo", afirmou o espanhol ex-Benfica.

O avançado espanhol realçou depois a importância de entrar a vencer na competição: "É uma partida muito importante, por ser frente a um rival e por ser o primeiro jogo. É sempre melhor vencer o primeiro jogo, mas não é definitivo. Temos a experiência de 2010, que começamos a perder com uma equipa que não era tão forte (Suíça)."

E deixou a receita para vencer os portugueses. "Portugal sente-se confortável no contra-ataque. Tem jogadores muito rápidos e sabem disso. Contra nós é difícil tirarem-nos a posse de bola, mas isso também complica as coisas para nós porque o adversário fecha-se muito atrás. Mas Portugal não deverá fazer isso, tem qualidade e vai tentar ter a bola e disputar o jogo", avisou o antigo jogador do Benfica.

Para Rodrigo, Portugal está entre os favoritos a vencer o Campeonato do Mundo:"Portugal é o atual campeão da Europa, podemos colocá-los entre os favoritos para fazer algo importante. No entanto, isto é um Mundial e é futebol, por isso o que importa é o que acontece dentro dos relvados e não o que projetámos antes."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.