Ricardinho candidato a melhor do mundo pela sétima vez consecutiva

O ala internacional português, de 31 anos, é um dos 10 candidatos a vencer a edição de 2016, o que faria do português o segundo jogador a conquistar o troféu três vezes seguidas

O ala internacional português Ricardinho, eleito melhor jogador de futsal do mundo em 2010, 2014 e 2015, integra pela sétima vez consecutiva a lista de nomeados ao prémio, divulgada na segunda-feira pelos promotores do mesmo.

Ricardinho, de 31 anos, é um dos 10 candidatos a vencer a edição de 2016, o que faria do português o segundo jogador a conquistar o troféu três vezes seguidas, depois do brasileiro Manoel Tobias (2000, 2001 e 2002).

Caso volta a ser designado melhor jogador de futsal do mundo, Ricardinho, que alinha nos espanhóis do Inter Movistar, igualará o recorde de quatro troféus, que pertence ao brasileiro Falcão, distinguido em 2004, 2006, 2011 e 2012.

"Muito feliz por voltar a estar eleito para melhor jogador do mundo, pela sétima vez consecutiva. Parabéns a todos os nomeados. Concorrência difícil para chegar novamente a tocar o céu", escreveu o jogador, na sua conta oficial na rede social Instagram.

Além de Ricardinho, integram a lista de candidatos os argentinos Leandro Cuzzolino e Pablo Taborda, os brasileiros Davi, Marcênio e Rodrigo Hardy, o iraniano Ahmad Esmaeilpour, o russo Dmitri Lyskov e o espanhol Miguelín.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.