Ricardinho abandona após Mundial 2020

Decisão do melhor do mundo para dar oportunidades a outros jogadores

Ricardinho, capitão da seleção nacional de futsal, revelou em entrevista à Fox Sports Itália que irá abandonar a equipa das quinas após o Mundial de 2020, segundo o próprio para dar "oportunidades a outros Ricardinhos".

"Vou jogar o Mundial [em 2020] e depois será o momento de sair. Quero dar oportunidade a outros Ricardinhos para vestirem a camisola de Portugal e deixar claro que Portugal não é meu, eu é que sou de Portugal", disse o futsalista, salientando que após ter vencido o Europeu já este ano ponderou abandonar.

"Desde que acabou o Europeu que pensei se deveria continuar a jogar na seleção. Pensei em parar, porque são muitos jogos. Há muita pressão e fico muito tempo longe da minha mulher e dos meus filhos. Exige muito de mim, tal como o eu clube", afirmou Ricardinho em entrevista à Fox Sports Itália.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.