Renascida Kvitova afasta Muguruza nos 'oitavos' do US Open

Ficou pelo caminho mais uma das favoritas à conquista do título feminino do US Open, em ténis: a espanhola Garbiñe Muguruza foi afastada na madrugada desta segunda-feira, pela checa Petra Kvitova.

Nove meses depois de se atacada em casa e esfaqueada na mão, Petra Kvitova está de regresso à ribalta. Este domingo à noite (já madrugada de segunda-feira em Portugal), a tenista checa deixou pelo caminho mais uma das favoritas à conquista do US Open e do n.º1 do ranking feminino, Garbiñe Muguruza. A espanhola caiu nos oitavos-de-final, por 7-6 (7-3) e 6-3.

Muguruza, que era a tenista mais bem colocada para chegar à liderança da tabela WTA, após a eliminação da romena Simona Halep, na 1.ª ronda, desperdiçou uma vantagem de 4-1 no primeiro set. E acabou por ser claramente derrotada pela renascida Kvitova, no segundo. A checa, vencedora do torneio de Wimbledon em 2011 e 2014 e antiga n.º2 do ranking, não chegava aos quartos-de-final de um major desde o US Open de 2015.

Nos quartos-de-final do quatro feminino do torneio nova-iorquino, Petra Kvitova vai enfrentar a estado-unidense Venus Williams, que afastou a espanhola Carla Suarez Navarro, por 6-3, 3-6 e 6-1. Também já com encontro marcado estão a norte-americana Sloane Stephens, que eliminou a alemã Julia Görges (6-3, 3-6 e 6-1), e a letã Anastasija Sevastova, que terminou com a caminhada da russa Maria Sharapova (5-7, 6-4 e 6-2).

Os outros duelos dos quartos-de-final vão ficar definidos com os encontros desta segunda-feira: Karolina Pliskova-Jennifer Brady, Coco Vandeweghe-Lucie Safarova, Daria Kasatkina-Kaia Kanepi e Elina Svitolina-Madison Keys,

No quadro masculino do US Open, Pablo Carreño Busta, Diego Schwartzman, Kevin Anderson e Sam Querrey já estão qualificados para os quartos-de-final. Os outros apurados decidem-se esta segunda-feira nas partidas David Goffin-Andrey Rublev, Rafael Nadal-Alexandr Dolgopolov, Juan Martin del Potro-Dominic Thiem e Roger Federer- Philipp Kohlschreiber.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.