Reestruturação de dívida do Sporting para salvaguardar interesses do BCP, diz Nuno Amado

O presidente do BCP, Nuno Amado, recusou esta segunda-feira explicar a reestruturação da dívida do Sporting, afirmando apenas que a operação foi feita exclusivamente para salvaguardar os interesses do banco.

"Não falamos de assuntos de clientes. Não falámos no passado, nem agora nem no futuro. O nosso critério é claro, a defesa dos interesses do BCP", afirmou Amado em conferência de imprensa.

Também o administrador Miguel Maya, afirmando não se estar a referir a casos concretos, acrescentou que as decisões do banco em reestruturações de dívida têm em vista conseguir menor nível de perdas para o BCP.

Sobre empréstimos a clubes de futebol, disse ainda Miguel Maya que, desde 2013, o BCP alterou regulamentos indicando que não deve dar crédito a clubes de futebol.

Miguel Maya irá suceder a Nuno Amado como presidente executivo do banco nos próximos meses.

A assembleia-geral de eleição da nova administração está marcada para final de maio e a proposta de nomes deverá ser conhecida esta terça-feira.

Segundo a imprensa, o Sporting beneficiou de um 'perdão' de 94,5 milhões de euros do Novo Banco e do BCP, quando voltou a negociar as condições de uma dívida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.