Red Bull Air Race de volta a Portugal custa 6 milhões

A prova internacional está de regresso à cidade do Porto e a Vila Nova de Gaia nos dias 2 e 3 de setembro de 2017, anunciou o Presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira

A prova da Red Bull Air Race que se vai realizar em setembro no Porto e em Vila Nova de Gaia custa seis milhões de euros, revelou esta quarta-feira o presidente do Turismo do Porto e Norte, Melchior Moreira.

Em declarações aos jornalistas, o responsável esclareceu que metade do investimento fica a cargo da Red Bull Internacional e os restantes 50% serão "comparticipados pelas câmaras do Porto e Gaia e do Turismo do Porto e Norte", com o apoio da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) e do Turismo de Portugal (TP), no âmbito de uma candidatura a fundos comunitários.

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, assegurou que a candidatura "está aprovada", notando que o compromisso é que "cada uma das autarquias entre com 225 mil euros" na etapa do campeonato mundial, para além da "parte logística em cada uma das margens" do rio Douro.

"O compromisso é que cada um [dos municípios] entrará com 225 mil euros. O resto é candidatável através Entidade de Turismo do Porto e Norte, da CCDR-N e do TP. A candidatura está aprovada. Para nós era condição 'sine qua non' [indispensável]. Por isso é que [o processo] demorou tanto tempo", afirmou o autarca do Porto.

Moreira falava no âmbito da conferência de imprensa em que foi anunciado que a competição aérea Red Bull Air Race regressa ao Porto e a Gaia a 02 e 03 de setembro, cidades que acolheram o evento durante três anos (entre 2007 e 2009).

De acordo com Melchior Moreira, a prova de 2017 vai ser "o maior evento de fim de semana em termos de retorno mediático, não só na cidade do Porto mas em Portugal".

O presidente do Turismo do Porto e Norte acredita que o retorno da prova "na economia regional e nacional" vai "claramente ultrapassar o investimento público que vai ser feito".

"Temos de nos congratular porque as câmaras do Porto e de Gaia, o Turismo do Porto e Norte, a CCDR-N e o TP encontraram um conjunto de meios para oferecer aos portugueses um evento de retorno mundial", frisou.

Melchior Moreira adiantou que uma universidade do Porto vai ser convidada para "fazer monitorização do retorno financeiro do evento", que não é "comparável" com o que existiu entre 2007 e 2009, até porque a região registou um "crescimento da promoção turística".

"Vamos fazer a monitorização do retorno do evento para podermos dizer claramente às entidades públicas que o apoiam que se justifica apostar nos eventos de promoção turística para dar retorno às marcas regionais e à marca Portugal", acrescentou.

De acordo com o responsável, "encontrar o financiamento necessário" para o evento regressar ao rio Douro levou "um ano de trabalho intenso e árduo".

O presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, destacou a "verdadeira parceria estratégica" posta em prática para a realização do evento em Portugal.

"O crescimento turístico das nossas cidades não é um dado adquirido. Deve ser acarinhado, alimentado com eventos como este, cujo retorno para a região é absolutamente inquestionável", afirmou.

Rui Moreira disse ter como "estratégia" a "procura da variedade", lembrando que, nos últimos anos, o Porto acolheu um campeonato de motonáutica e uma etapa do rali de Portugal.

"Pensamos que seria excelente voltar a ter o Red Bull. É um evento muito importante, com um impacto muito grande na região", observou.

Em comunicado, a Associação de Comerciantes do Porto (ACP) elogiou o regresso da competição, notando que "o turismo dos eventos é também uma forma de dinamizar a região e potenciar a economia, muito em particular a cidade do Porto".

De acordo com a ACP, este evento "pode gerar aproximadamente 51 milhões de euros de receita global para a região", para além do "retorno indireto difícil de contabilizar".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.