Real Madrid desfila a taça dos Campeões em cidade em euforia

Milhares de adeptos juntaram-se a Ronaldo, Pepe e companhia nos festejos da "undécima"

O Real Madrid, que sábado conquistou o seu 11.º título de campeão europeu de futebol, deixou hoje a capital espanhola em euforia, passeando o troféu em vários pontos estratégicos da cidade perante muitos milhares de adeptos.

Os pupilos de Zinedine Zidane têm-se desmultiplicado em eventos desde a manhã, sendo saudados por adeptos em êxtase horas depois do triunfo sobre o rival Atlético de Madrid, por 5-3, no desempate nos penaltis, depois do 1-1 registado no fim do tempo regulamentar e do prolongamento.

Depois de tirar fotos com os fãs, os futebolistas desfilaram com a taça numa passarela em redor da fonte dedicada à deusa Cibele, que foi coberta com a bandeira do Real Madrid.

Ao fim do dia o encontro foi na câmara municipal, em cuja varanda o presidente do clube se dirigiu aos adeptos para lhes manifestar o "orgulho" da equipa pela forma como a apoiaram.

"Sabíamos que estes jogadores, comandados por Zinedine Zidane, são capazes de atingir o que para muitos é impossível", resumiu Florentino Pérez.

A festa começou logo após o fim do desafio de Milão, Itália, sendo que às seis da madrugada, ainda havia muitos adeptos a festejar na praça Cibeles, ao som de músicas tecno.

"Final épico da Liga dos Campeões. Parabéns a todos os madridistas pela 11.ª e coragem para o Atlético. Hala Madrid", escreveu no Twitter o primeiro-ministro Mariano Rajoy, adepto confesso da equipa 'merengue'.

Cristiano Ronaldo, que marcou o quinto e decisivo penalti, e Pepe foram titulares na equipa do Real Madrid que voltou a fazer história.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.