Quintana quer ganhar vantagem na montanha antes do contrarrelógio

Froome está à espreita no segundo lugar, enquanto Contador, terceiro, já não acredita que possa chegar à vitória na prova

O colombiano Nairo Quintana (Movistar), atual líder da Volta a Espanha em bicicleta, quer ganhar tempo nas etapas de montanha antes do contrarrelógio, em que o inglês Chris Froome (Sky) é muito mais forte.

Quem já não acredita muito no triunfo na prova - que esta terça-feira tem o seu primeiro dia de descanso - é Alberto Contador (Tinkoff), flagelado por uma série de quedas e que perdeu tempo precioso em Covadonga, estando já a quase três minutos de Quintana.

"Habitualmente chego com força à terceira semana e agora vou tentar ganhar a vantagem que possa para preparar-me para o contrarrelógio. Nesta altura, acumulamos cansaço e muitos quilómetros, há que aproveitar as oportunidades que se apresentem", afirma Quintana, que na segunda-feira conquistou a camisola vermelha.

Quintana reconhece que Froome "está em boa forma" e a gerir bem o esforço: "Ele faz a corrida a controlar e depois está bem nas montanhas. Em Lagos (de Covadonga) fiz o melhor que pude, mas ele está bem".

"Não sei onde posso fazer a diferença, talvez amanhã [quarta-feira], se tiver saúde e pernas. Não sei se a Vuelta se pode decidir em Aubisque. Temos de ver com que avanço consigo ficar. No "crono" Froome é superior. Mas agora estou bem, com vontade e vou-lhe dificultar a vida", acrescentou o líder da Vuelta.

Segundo classificado, a 58 segundos de Quintana, Froome assume que a Vuelta é "uma corrida muito bonita", que gostaria de ganhar.

"É a minha prioridade, depois de vencer o Tour. Ao contrário da Volta a França, foi uma opção de último momento. É a competição em que se viu pela primeira vez o meu potencial para uma prova de longa duração (2011) e isso significa muito para mim e reforça a vontade de a ganhar", explicou.

Sobre a etapa de quarta-feira, com a chegada em Penã Cabarga (onde ganhou em 2011), pensa que não deverá servir para ganhar tempo a Quintana. "É sim uma etapa de recordações especiais, foi uma das mais belas vitórias da minha carreira".

Já Contador, quarto da geral a quase três minutos, está pouco otimista para o pódio final e quer sim "dar o máximo para fazer coisas bonitas".

"As opções de vitória são poucas, estou a três minutos de Nairo, que está muito forte e tem uma equipa poderosa. Continuo na Vuelta para fazer coisas boas, não estou a pensar na classificação. Devia ter sido mais cauteloso em Lagos de Covadonga. Por vezes sou demasiadamente impulsivo e ataquei quando seria mais inteligente seguir na roda", disse ainda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.