Quintana quer ganhar vantagem na montanha antes do contrarrelógio

Froome está à espreita no segundo lugar, enquanto Contador, terceiro, já não acredita que possa chegar à vitória na prova

O colombiano Nairo Quintana (Movistar), atual líder da Volta a Espanha em bicicleta, quer ganhar tempo nas etapas de montanha antes do contrarrelógio, em que o inglês Chris Froome (Sky) é muito mais forte.

Quem já não acredita muito no triunfo na prova - que esta terça-feira tem o seu primeiro dia de descanso - é Alberto Contador (Tinkoff), flagelado por uma série de quedas e que perdeu tempo precioso em Covadonga, estando já a quase três minutos de Quintana.

"Habitualmente chego com força à terceira semana e agora vou tentar ganhar a vantagem que possa para preparar-me para o contrarrelógio. Nesta altura, acumulamos cansaço e muitos quilómetros, há que aproveitar as oportunidades que se apresentem", afirma Quintana, que na segunda-feira conquistou a camisola vermelha.

Quintana reconhece que Froome "está em boa forma" e a gerir bem o esforço: "Ele faz a corrida a controlar e depois está bem nas montanhas. Em Lagos (de Covadonga) fiz o melhor que pude, mas ele está bem".

"Não sei onde posso fazer a diferença, talvez amanhã [quarta-feira], se tiver saúde e pernas. Não sei se a Vuelta se pode decidir em Aubisque. Temos de ver com que avanço consigo ficar. No "crono" Froome é superior. Mas agora estou bem, com vontade e vou-lhe dificultar a vida", acrescentou o líder da Vuelta.

Segundo classificado, a 58 segundos de Quintana, Froome assume que a Vuelta é "uma corrida muito bonita", que gostaria de ganhar.

"É a minha prioridade, depois de vencer o Tour. Ao contrário da Volta a França, foi uma opção de último momento. É a competição em que se viu pela primeira vez o meu potencial para uma prova de longa duração (2011) e isso significa muito para mim e reforça a vontade de a ganhar", explicou.

Sobre a etapa de quarta-feira, com a chegada em Penã Cabarga (onde ganhou em 2011), pensa que não deverá servir para ganhar tempo a Quintana. "É sim uma etapa de recordações especiais, foi uma das mais belas vitórias da minha carreira".

Já Contador, quarto da geral a quase três minutos, está pouco otimista para o pódio final e quer sim "dar o máximo para fazer coisas bonitas".

"As opções de vitória são poucas, estou a três minutos de Nairo, que está muito forte e tem uma equipa poderosa. Continuo na Vuelta para fazer coisas boas, não estou a pensar na classificação. Devia ter sido mais cauteloso em Lagos de Covadonga. Por vezes sou demasiadamente impulsivo e ataquei quando seria mais inteligente seguir na roda", disse ainda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.