"Querem continuar a fingir que isto é sério?"

Diretor de comunicação e informação do FC Porto critica a arbitragem do Benfica - Portimonense

Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto, criticou arbitragem do jogo entre Benfica e Portimonense.

"Esta arbitragem merece um estudo detalhado. É um menino do Nuno Cabral e provou-o. Querem continuar a fingir que isto é sério?", escreveu no twitter sobre o árbitro Gonçalo Martins.

O tetracampeão Benfica somou hoje o quarto triunfo na edição 2017/18 da I Liga portuguesa de futebol, ao vencer em casa o Portimonense por 2-1, num encontro da quinta jornada em que esteve a perder.

O brasileiro Fabrício deu vantagem aos algarvios, aos 56 minutos, mas, aos 59, ficaram sem o ganês Hackamn, que viu o vermelho direto. O 'canarinho' Jonas empatou, de penálti, aos 60, e André Almeida aumentou a vantagem, aos 78.

Pensava-se que o vencedor estava encontrado e realmente estava, porém, o Benfica apanhou um enorme susto quando Wilson Manafá solicitou Fabrício para aquele que seria o empate. O árbitro Gonçalo Martins ouviu o videoárbitro Fábio Veríssimo e optou por anular o golo. A bem da verdade deve dizer-se que dá a ideia de o futebolista do Portimonense estar em posição irregular antes de fazer o passe que seria decisivo. Estamos a falar de milímetros, mas realmente parece existir fora-de-jogo.

Com este resultado, os 'encarnados' ascenderam, provisoriamente, ao segundo lugar, com 13 pontos, menos dois do que o Sporting, vencedor por 3-2 no reduto do Feirense, graças a um penálti de Bas Dost, aos 90+8 minutos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.