"Querem continuar a fingir que isto é sério?"

Diretor de comunicação e informação do FC Porto critica a arbitragem do Benfica - Portimonense

Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto, criticou arbitragem do jogo entre Benfica e Portimonense.

"Esta arbitragem merece um estudo detalhado. É um menino do Nuno Cabral e provou-o. Querem continuar a fingir que isto é sério?", escreveu no twitter sobre o árbitro Gonçalo Martins.

O tetracampeão Benfica somou hoje o quarto triunfo na edição 2017/18 da I Liga portuguesa de futebol, ao vencer em casa o Portimonense por 2-1, num encontro da quinta jornada em que esteve a perder.

O brasileiro Fabrício deu vantagem aos algarvios, aos 56 minutos, mas, aos 59, ficaram sem o ganês Hackamn, que viu o vermelho direto. O 'canarinho' Jonas empatou, de penálti, aos 60, e André Almeida aumentou a vantagem, aos 78.

Pensava-se que o vencedor estava encontrado e realmente estava, porém, o Benfica apanhou um enorme susto quando Wilson Manafá solicitou Fabrício para aquele que seria o empate. O árbitro Gonçalo Martins ouviu o videoárbitro Fábio Veríssimo e optou por anular o golo. A bem da verdade deve dizer-se que dá a ideia de o futebolista do Portimonense estar em posição irregular antes de fazer o passe que seria decisivo. Estamos a falar de milímetros, mas realmente parece existir fora-de-jogo.

Com este resultado, os 'encarnados' ascenderam, provisoriamente, ao segundo lugar, com 13 pontos, menos dois do que o Sporting, vencedor por 3-2 no reduto do Feirense, graças a um penálti de Bas Dost, aos 90+8 minutos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.