Queiroz promove regresso de proscritos na seleção do Irão

O selecionador integrou ainda o guarda-redes do Marítimo na pré-convocatória para o Mundial

Carlos Queiroz anunciou esta segunda-feira a pré-convocatória da seleção do Irão para o Mundial 2018, onde será adversária de Portugal na fase de grupos.

A grande novidade desta primeira lista é a chamada de dois futebolistas que tinham sido banidos da equipa nacional iraniana por, em agosto de 2017, terem defrontado os israelitas do Maccabi Telavive quando representavam os gregos do Panionios. Tratam-se dos médios Massoud Shojaei, de 33 anos que atua agora no AEK Atenas, e Hajsafi, de 28 que representa o Olympiacos.

Na lista de 35 convocados por Carlos Queiroz está ainda Amir Abedzadeh, guarda-redes que terminou a época como titular do Marítimo.

Eis a lista completa de convocados:

Guarda-redes: Alireza Beiranvand (Persepolis), Seyed Hossein Hosseini (Esteghlal), Rashid Mazaheri (Zob Ahan) e Amir Abedzadeh (Marítimo/POR).

Defesas: Ramin Rezaeian (Oostende/Bel), Voria Ghafouri (Esteghlal), Steven Beitashour (Los Angeles FC/EUA), Seyed Jalal Hosseini (Persepolis), Mohammad Reza Khanzadeh (Padideh), Morteza Pouraliganji (Al Sadd/Qat), Mohammad Ansari (Persepolis), Pejman Montazeri (Esteghlal), Seyed Majid Hosseini (Esteghlal), Milad Mohammadi (Akhmat Grozny/Rus), Omid Nourafkan (Esteghlal), Saeid Aghaei (Sepahan) e Roozbeh Cheshmi (Esteghlal).

Médios: Saeid Ezatolahi (Amkar Perm/Rus), Massoud Shojaei (AEK Atenas/Gre), Ahmad Abdolahzadeh (Foolad), Saman Ghoddos (Östersund/Sue), Mahdi Torabi (Saipa), Ashkan Dejagah (Nottingham Forest/Ing), Omid Ebrahimi (Esteghlal), Ehsan Hajsafi (Olympiacos/Gre), Ali Karimi (Sepahan), Soroush Rafiei (Al-Khor/Qat), Ali Gholizadeh (Saipa) e Vahid Amiri (Persepolis).

Avançados: Alireza Jahanbakhsh (AZ Alkmaar/Hol), Karim Ansarifard (Olympiacos/Gre), Mahdi Taremi (Al-Gharafa/Qat), Sardar Azmoun (Rubin Kazan/Rus), Reza Ghoochannejhad (Heerenveen/Hol) e Kaveh Rezaei (Charleroi/Bel).

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.