Queda faz Froome perder tempo para os rivais diretos

O britânico, líder da geral em Espanha, teve um furo e logo de seguida sofreu uma queda. Nibali está agora a menos de um minuto

O ciclista polaco Tomasz Marczynski (Lotto Soudal) venceu ontem pela segunda vez uma etapa na Volta a Espanha, mas o grande destaque do dia foi o facto de o camisola vermelha Chris Froome ter tido vários contratempos e perdido tempo para os rivais diretos.

As contas para a geral individual aqueceram no final da etapa, com o espanhol Alberto Contador (Trek--Segafredo) a fugir nos últimos 23 quilómetros, primeiro com o irlandês Nicolas Roche (BMC), que não aguentou o ritmo, e depois com um colega de equipa, o belga Dylan Teuns.

Nos últimos 12 quilómetros da etapa, o líder Chris Froome sofreu um furo, sendo obrigado a trocar de bicicleta. E depois uma queda, o que o cortou do restante grupo de favoritos e o deixou ainda mais longe da fuga de Alberto Contador. No final, o ciclista espanhol, que vai colocar um ponto final na carreira após a Vuelta, cortou a meta com 42 segundos de vantagem sobre Froome, que perdeu ainda 20 segundos para o grupo dos favoritos, no qual seguia o italiano Vincenzo Nibali (Bahrain Mérida), que continua segundo da geral, agora a 59 segundos do camisola vermelha.

Contador acabou assim por um dos grandes heróis do dia, pois cortou 22 segundos ao grupo de Nibali e 42 a Froome, ocupando neste momento o nono lugar da geral, mesmo assim ainda a mais de três minutos do ciclista britânico.

Polaco também brilha

Outro dos heróis do dia foi Tomasz Marczynski (Lotto Soudal), vencedor da etapa. O polaco de 33 anos, que já tinha vencido a sexta tirada, cumpriu a ligação entre Motril e Antequera (160,1 quilómetros) em 3:56.45 horas, chegando isolado, com 52 segundos de vantagem sobre um quarteto encabeçado pelos espanhóis Omar Fraile (Dimension Data) e José Joaquín Rojas (Movistar), com os quais tinha andado em fuga.

Antes do arranque da Vuelta 2017, o ciclista de 33 anos nunca tinha alcançado uma vitória numa grande Volta, mas a meio da prova espanhola já tem duas, desta feita chegando isolado, depois de ter levado a melhor aos restantes 13 elementos da fuga do dia.

"Esta vitória é ainda mais bonita do que a primeira", disse o polaco no final da etapa, mesmo que tenha sentido "um pouco de medo", que superou ao rolar "com calma até à subida final".

Quanto aos portugueses, Nélson Oliveira (Movistar) continua a ser o melhor corredor luso, tendo caído para a 30.ª posição da geral, ao ser 81.º na etapa. Rui Costa (UAE Emirates) subiu duas posições para o 36.º posto, depois de ser 91.º na etapa, no mesmo grupo de Oliveira e de Ricardo Vilela (Manzana Postobon), que é 51.º à geral. E Rafael Reis (Caja Rural-Seguros RGA) é 137.º na tabela, depois de hoje ter cortado a meta em 121.º.

Na 13.ª etapa, que se realiza hoje, os ciclistas enfrentam uma ligação plana entre Coín e Tomares, com 198,4 quilómetros, que poderá ser uma das últimas oportunidades para os sprinters se mostrarem na 72.ª edição da Vuelta.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.