Quase seis anos depois Portugal volta a perder um jogo

Equipa das quinas perdeu bem diante da Espanha, por 3-1, na segunda jornada do Europeu da categoria, mas não tem o apuramento comprometido. Grande golo de Bruma, para ver e rever.

Portugal perdeu esta terça-feira, na cidade polaca de Gdynia, diante da Espanha, por 3-1, na segunda jornada do Europeu sub-21. Isto é quase uma novidade pois esta seleção não sofria uma derrota há cinco anos e oito meses e a verdade é que o apuramento não fica comprometido pois a Sérvia empatou, com surpresa, a dois golos diante da Moldávia, adversário da equipa orientada por Rui Jorge na última ronda que a formação lusitana precisa de triunfar para ser o melhor segundo classificado do certame.

É preciso dizer que Portugal perdeu bem, porque a Espanha, sem ser uma equipa dominadora, teve sempre o controlo da partida.

No entanto, a primeira grande oportunidade foi de Portugal com Podence a rematar ao poste logo aos 11 minutos e que grande exibição fez o avançado do Sporting...

Porém, dez minutos volvidos, Saúl fez o primeiro golo num lance em que Rúben Neves e Bruno Fernandes podiam ter feito algo mais e depois o remate final tabelou nas pernas de Edgar Ié, outro das notas altas da seleção portuguesa, muitos furos acima de Rúben Semedo que viu amarelo e, tal como Bruno Fernandes, não pode jogar na última jornada.

Na resposta de novo Podence e Bruno Fernandes mas a verdade é que até ao intervalo Deulofeu e Sandro Ramírez podiam ter aumentado a vantagem espanhola.

No segundo tempo, Portugal entrou decidido a empatar mas o início foi frenético com Podence de novo em evidência e Edgar Ié a salvar um golo em cima da linha. Aos 57' Rui Jorge teve uma decisão muito discutível. Meteu Bruma mas retirou... Podence. Incompreensível a menos que tenha havido uma questão física na base da opção do selecionador.

Aos 64' Portugal sofre o segundo golo por Sandro Ramírez mas manteve a toada em busca de um golo que o recolocasse na luta e a verdade é que ele apareceu com um golo soberbo de Bruma, de fora da área de pé esquerdo. Dificilmente haverá golo melhor neste Europeu. Nesta altura já o apagado Renato Sanches tinha dado o seu lugar a Ricardo Horta e antes Gonçalo Paciência tinha rendido o pouco assertivo João Carvalho.

A machadada final foi dada pelo basco Iñaki Williams, num lance em que Portugal tentava fazer o 2-2. O espanhol esgueirou-se a Kevin Rodrigues, acelerou, passou Rúben Semedo, esquivou-se ao corte deste e atirou a contar de ângulo difícil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.