Quase seis anos depois Portugal volta a perder um jogo

Equipa das quinas perdeu bem diante da Espanha, por 3-1, na segunda jornada do Europeu da categoria, mas não tem o apuramento comprometido. Grande golo de Bruma, para ver e rever.

Portugal perdeu esta terça-feira, na cidade polaca de Gdynia, diante da Espanha, por 3-1, na segunda jornada do Europeu sub-21. Isto é quase uma novidade pois esta seleção não sofria uma derrota há cinco anos e oito meses e a verdade é que o apuramento não fica comprometido pois a Sérvia empatou, com surpresa, a dois golos diante da Moldávia, adversário da equipa orientada por Rui Jorge na última ronda que a formação lusitana precisa de triunfar para ser o melhor segundo classificado do certame.

É preciso dizer que Portugal perdeu bem, porque a Espanha, sem ser uma equipa dominadora, teve sempre o controlo da partida.

No entanto, a primeira grande oportunidade foi de Portugal com Podence a rematar ao poste logo aos 11 minutos e que grande exibição fez o avançado do Sporting...

Porém, dez minutos volvidos, Saúl fez o primeiro golo num lance em que Rúben Neves e Bruno Fernandes podiam ter feito algo mais e depois o remate final tabelou nas pernas de Edgar Ié, outro das notas altas da seleção portuguesa, muitos furos acima de Rúben Semedo que viu amarelo e, tal como Bruno Fernandes, não pode jogar na última jornada.

Na resposta de novo Podence e Bruno Fernandes mas a verdade é que até ao intervalo Deulofeu e Sandro Ramírez podiam ter aumentado a vantagem espanhola.

No segundo tempo, Portugal entrou decidido a empatar mas o início foi frenético com Podence de novo em evidência e Edgar Ié a salvar um golo em cima da linha. Aos 57' Rui Jorge teve uma decisão muito discutível. Meteu Bruma mas retirou... Podence. Incompreensível a menos que tenha havido uma questão física na base da opção do selecionador.

Aos 64' Portugal sofre o segundo golo por Sandro Ramírez mas manteve a toada em busca de um golo que o recolocasse na luta e a verdade é que ele apareceu com um golo soberbo de Bruma, de fora da área de pé esquerdo. Dificilmente haverá golo melhor neste Europeu. Nesta altura já o apagado Renato Sanches tinha dado o seu lugar a Ricardo Horta e antes Gonçalo Paciência tinha rendido o pouco assertivo João Carvalho.

A machadada final foi dada pelo basco Iñaki Williams, num lance em que Portugal tentava fazer o 2-2. O espanhol esgueirou-se a Kevin Rodrigues, acelerou, passou Rúben Semedo, esquivou-se ao corte deste e atirou a contar de ângulo difícil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...